sexta-feira, 25 de maio de 2007

Um tipo de religião com a qual não posso competir!


Vi adeptos de determinada religião outro dia, estavam em seu culto que havia sido filmado pela televisão. Um tipo de seita que tem atraído milhares, na verdade bilhões no mundo todo, uma religião com características ecumênicas e linha muito liberal, moças podem ir vestidas como quiserem ao templo, os rapazes costumam ir bem caracterizados, mas jamais iriam de terno. Os cultos costumam ser lotados e a música é animada, o povo canta em coro. Mais de 20 pessoas cuidam da liturgia que costuma passar de 90 minutos.
Tenho visto este fenômeno em todos os lugares, RS, SC, SP, por todo Brasil e pelos poucos países vizinhos por onde já andei. Através do jornal descobri que eles estão em todo mundo e ganham cada vez mais adeptos, aqui no Brasil suas reuniões podem ser todo dia, mas normalmente acontecem quartas e domingos. Admito, já fui um adepto desta seita em algum momento de minha vida, mas hoje eles não me enganam mais... Qual o deus que adoram? Um falso deus, como no VT da Bíblia havia o falso deus chamado Baal, agora um falso deus chamado “Bool” é adorado.
Antes que você se dê por conta que estou falando do futebol, vou me explicar para que você não fique decepcionado comigo: Não tenho nada contra o esporte em si, pelo contrário, quem me dera eu tivesse tamanha disposição de correr 90 minutos! Acho incrível os lances, os dribles e a habilidade dos jogadores! O que me incomoda são os times! De alguma forma peguei uma aversão aos campeonatos e aos clubes, penso que eles iludem o povo! “Pão e Circo ao povo” diziam os imperadores, mas no Brasil moderno basta o circo e o povo não precisa de comida, trabalho, estudo, saúde ou saneamento. A mídia e a cultura popular fazem um torcedor pobre pagar cerca 30 ou 80 reais para ver um jogo, mas ele nunca gastaria este dinheiro para comprar um livro! Percebe o que quero dizer? Não temos problema com o futebol, mas com a cultura da burrice!
Isso sempre acontece quando algo supérfluo toma o lugar do sagrado. O Brasil está intoxicado da idolatria aos times e seus jogadores que mudam de time tão rápido quanto os dólares os motivem. Tudo ali acontece pelo dinheiro, por que então alguém se dá ao trabalho de gastar tanto tempo, dinheiro e devoção? Grêmio, Internacional ou Corinthians colocarão comida na mesa de alguém?
O pior é que o excesso e má compreensão deixam as pessoas fanáticas. Não poucas vezes presenciei brigas entre torcedores e ultimamente, não raro, vemos mortos entre torcedores dos estágios. Por quê? Porque toda vez que o corruptível toma o lugar da religião ao Deus verdadeiro, é isso que acontece!
Quem é este cidadão brasileiro tão sofrido e pouco reconhecido que é iludido por aplausos que nunca serão seus e títulos que nunca lhe darão emprego?
Vive tu, cidadão brasileiro, tão humilhado que tua única esperança de triunfo é um time que conquistará uma taça a qual realmente nunca serás tua?
Há muito tempo abandonei os times, decepcionado com a idolatria disfarçada (aliás, nada mais cafona do que uma foto de time pendurada na sala, pior que isso, só enfeite de geladeira, hahaha...), decepcionado com as falcatruas e os rios de dinheiro inutilizados na mão de poucos. Decidi assim! Boicotei os times, percebi que tinha chegado ao cúmulo quando finalmente abandonei a Seleção Brasileira em plena Copa do Mundo! E já faz tempo, nem foi neste último mundial! Sou louco? Não, apenas perdeu a graça para mim! Talvez algum time ou seleção ainda me conquiste, mas será breve, pois sei que os times de futebol são tão ilusórios que quando a final chegar, os passes dos craques já estarão todos vendidos, algumas vezes aos seus adversários.
Existe também, em minha opinião, um “ocultismo” por trás dos clubes, veja o caso do Grêmio e do Internacional! Enquanto um é chamado de ‘imortal’ em seu hino (imortal é só Jesus, o Deus Todo Poderoso, o que passar disso é blasfêmia, ver I Tim.6:16), o outro leva como símbolo o Saci, que no folclore Brasileiro é um tipo de espírito medonho, também chamado de ‘capetinha’! Imagine? Blasfemar ou carregar uma caricatura do diabo como símbolo? Definitivamente não posso me devotar a este tipo de coisa!
A Bíblia nos avisou Ex 20:3; “Não terás outros deuses diante de mim”, isso vale para tudo, para o futebol, para a TV, para a música, para a sexualidade, para a comida e todos mais. O que acontece conosco, por que gostamos tanto de pão e circo? Como religioso, já aprendi que “pão e circo” são um tipo de religião com a qual não posso competir em igualdade!
por Pr. Ericson Danese

Nenhum comentário: