domingo, 8 de julho de 2007

Namoro a distância

Não sei se você já namorou a distância? Quando eu namorei a distância (mais de 1000km), ainda não tínhamos acesso muito fácil à internet e dependíamos das cartas, demoravam uma semana para chegar ao destino, depois mais uma semana para saber a resposta. Nas cartas o namoro é complicado, você não entra em questões polemicas do namoro pois o espaço é limitado e o risco de ser mal interpretado é muito grande. Normalmente as cartas de namorados contêm uns 80% de elogios e boas novidades, o problema é o que fazer com a dúvida? Uma carta pode chegar em um bom momento ou em um mau momento psicológico, muitas vezes pode vir com assuntos diferentes do que você esperava, em síntese uma carta pode ser decepcionante ou até obscura! Na verdade, alguns namorados chegam a desconfiar que seu par os esqueceu, não o ama mais ou está apenas o iludindo. O namorado(a) chega a um ponto que deve optar pela dúvida ou pela fé!
E assim é com Deus, Ele foi e prometeu que nos ama e irá voltar, todos os dias os homens abrem Suas cartas registradas na Bíblia sagrada tentando obter respostas que nem sempre são o que esperavam ouvir. Todos têm que optar entre a fé ou a dúvida, alguns chegam a negá-lo e decidem desistir. Para alguns, a melhor estratégia de como superar a dor da distancia é estranhamente negar que exista alguém de quem sente falta, usando isso como anestesia geral numa pequena ferida local e perdem completamente o raciocínio lógico! Conheça um exemplo:
O pai do existencialismo ateu foi um alemão nascido em 1844, criado pela mãe, pela irmã e pelas duas tias solteironas uma vez que seu pai morreu quando ainda Nietzsche ainda era um menino, alguns deduzem que sofreu abuso quando criança. Ele era a própria figura quase profética do que se tornaria a Alemanha do inicio do próximo século e das duas grandes guerras, descontentamento e ambição.
Nietzsche influenciado por outros filósofos ateus era um pessimista (Niilista) nato, acreditava que a sociedade de seus dias estava decadente e julgava que a culpa era da tradição judaico-cristã. Para ele, a religião cristã enfraquecia o espírito humano através de sua ideologia de mansidão e submissão a uma divindade, ele argumentava que a compaixão retirava o que havia de melhor no ser humano, a ousadia e coragem.
Para ele, o homem devia livrar-se da idéia de Deus, aliás dizia ele de forma sarcástica “Deus morreu”, pois a seu ver não havia necessidade de Deus, alegorizando sua teoria ele dizia “Deus morreu de pena”, ele propôs neste alegorismo que havia muitos deuses no inicio, então o Deus cristão Jeová exigiu ser o único e os outros morreram de rir de Jeová, mas agora o homem não precisava mais nem deste último. Em sua tese doutoral ele usa desta mesma linha de pensamento para explicar a condição do comportamento e desejos humanos, apelando para a figura de duas divindades gregas, Apolo (representado o ideal, o belo e o correto) e Dionízio (representado o caos, o irreverente e sensual), para ele todo homem tinha que manter o equilíbrio sem negar nenhum dos dois. Isto é estranho? Bem, para um homem ateu e evolucionista que não via qualquer propósito na vida, na existência, nada é estranho.
Para o ateu Nietzsche, virtudes como as de Gálatas 5, paciência, bondade, humildade e coisas do gênero são apenas uma maneira dos fracos aliviarem seu sofrimento diante da sua falta de confiança. O ideal de Nietzsche é um chamado ‘super-homem’, que são pessoas comuns que ousam serem seus próprios juizes, sobrepuja e domina as demais e criam sua própria moralidade, como César, Alexandre e Napoleão. Segundo seu pensamento, o que move o homem é a vontade de poder, ou seja a vontade de sobrepujar, fazer com que sua vida seja lembrada e é neste ponto que o Cristianismo é culpado por roubar esta natureza básica.
As idéias de Nietzsche foram tremendamente influentes, décadas mais tarde um grande admirador seu chamado Adolf Hitler distribuía livros seus aos seus principais homens. O Nazismo demonstrou o que existencialismo ateu de Nietzsche poderia fazer ao mundo de forma prática!
Homens como Nietzsche fazem-me lembrar cartas de namorados, um namorado frustrado, alguém que se decepcionou com um velho amor e agora se determinou a odiar este antigo amor, só para dar a impressão que não ama mais. Há uma carta de Deus para Nietzsche, ateus, zombadores e todos nós crentes no Sl.14; “DISSE o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem. O SENHOR olhou desde os céus para os filhos dos homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos: não há quem faça o bem, não há sequer um. Não terão conhecimento os que praticam a iniqüidade, os quais comem o meu povo, como se comessem pão, e não invocam ao SENHOR? Ali se acharam em grande pavor, porque Deus está na geração dos justos. Vós envergonhais o conselho dos pobres, porquanto o SENHOR é o seu refúgio. Oh, se de Sião tivera já vindo a redenção de Israel! Quando o SENHOR fizer voltar os cativos do seu povo, se regozijará Jacó e se alegrará Israel.”
Curiosamente aos 34 anos Nietzsche ficou muito doente, viajou pela Europa a procura da cura, tinha um tipo de infecção no cérebro que o levou a ser internado num sanatório para loucos, onde sua irmã cobrava um ingresso para visitantes poderem ver seu irmão famoso agora demente. Nietzsche passou seus últimos dias ali, apresentando-se como Jesus Cristo e assinando como ‘O Crucificado’! Morreu aos 55 anos, mas conta-se que sua famosa frase ‘Deus está morto. Ass. Nietzsche’ foi pichada no metrô de Nova York, abaixo alguém escreveu; ‘Nietzsche está morto. Ass: Deus’.
Quanto ao meu namoro a distância? Casei com ela alguns anos depois e hoje somos muito felizes!
Por Pr. Ericson Danese

3 comentários:

vanix disse...

Oi Pastor!
Bela mensagem!
Que DUS continue te aben�oando!

Abra�os!!!

Janaina disse...

Muito interessante o artigo... eu estou na fase de noivado a distância e é muito ruim saber que uma pessoa que vc ama está longe de vc. Essas mensagens ajudam muito a gente. Obrigada

demetrio disse...

Oi tudo bom Pr, gostei muito da matéria,
estou aprendendo que namoro não é apenas um acordo de relação mútua, mas mais do que isso um compromisso com a pessoa amada, as famílias ( demais envolvidos dieretamente) e Deus.
Eu estou completando 5 meses de namoro a distancia, realmente não é facil mas Deus não me colocaria em uma situação onde eu não pudesse suportar, com relção a ciumes,tenho comigo que, se eu não confio quando namor e quando ela tiver que sair para trabalhar, fazer suas coisas como fica? Desde o princípio pedi a ela que não confiasse totalmente só em mim mais que confiasse primeiramente naquele que nos colocou um no caminho do outro, esse e Deus, Serei mais feliz pois no tempo e forma de Deus tudo e muito melhor.