sexta-feira, 24 de julho de 2009

E FEZ DEUS O MACACO, a imagem e semelhança do homem

Pois o rei tinha navios que iam a Társis com os servos de Hurão; de três em três anos os navios voltavam de Társis, trazendo ouro, prata, marfim, macacos e pavões. I Re. 9:21

Outro dia estava assistindo um documentário sobre a vida dos chipanzés. Não pude evitar em pensar nas nossas semelhanças com estes animais. A pergunta vem na minha mente toda vez que vejo um deles. Por que Deus fez os macacos tão parecidos com os seres humanos? Qual o propósito nisso?
Os fósseis mostram todo tipo de primatas na antiguidade, há lêmures, macacos e símios antropóides. Alguns eram versões gigantes dos atuais, como o gigantopithecus de 3m de altura, uma verdadeira versão King Kong do nosso gorila. Existiam ainda versões do chipanzé e ainda, fósseis do gibão, do babuíno e macacos variados, todos como os atuais. São os mesmos animais, talvez os tipos básicos que Noé levou para arca e depois variaram povoando a Terra. Modernamente dividimos o grupo dos primatas em prossímios (lêmures, lóris e gálago), símios (macacos do novo mundo [sagüis, búgios, micos e macacos de cauda preênsil] e do velho mundo [macacos, mandris e babuíno]) e antropóides (chipanzés, gorilas, orangotangos e gibão).
Nas selvas de Madagascar o raro ai ai, de orelhas peladas e dedos finos, procura larvas dentro de galhos batendo e sentindo o som no oco do galho, quando detecta algo, fura e enfia seu dedo médio que é muito maior que os outros e fisga a larva. Os prossímios em geral têm grandes olhos, sendo que alguns deles são noturnos como o lóris e o rápido gálago, assim como o macaco noturno da América do Sul, que seguiu o projeto que o Criador fez para primatas noturnos. Enquanto a maioria dos animais é guiada pelo olfato ou audição, o Criador deu aos primatas uma visão em três dimensões e a capacidade de distinguir cores (um tanto incomum entre os animais). Este projeto inteligente é próprio para animais que dependem da identificação de cores e formas das frutas na mata densa. Mas a maior característica de um primata são as mãos e pés com cinco dedos e um polegar opositor. Na verdade, em alguns casos os pés se assemelham mais com mãos do que pés, pois o ‘dedão’ é capaz de agarrar-se aos galhos como o polegar opositor da mão.
Por que estes animais ganharam tantas semelhanças anatômicas com os humanos? Em primeiro lugar, são semelhantes, mas não iguais! Analisando sua postura, são quase sempre quadrúpedes, andam em duas pernas com dificuldades, pois seus ossos das pernas não forma feitos para isso. Veja o grande gorila com sua aparência furiosa, esse vegetariano de caninos pontudos anda com o corpo sempre apoiado sobre os punhos de seus dois braços que se estima ter a força de 20 homens. Diferente deles, nós humanos possuímos ossos nos pés, joelhos, pernas e quadril desenhados não só para caminhar e correr eretos, como também dispomos de todo um mecanismo de equilíbrio interno para isso.
A resposta para nossas semelhanças anatômicas estão no propósito de Deus para estes animais. Eles foram feitos para habitar as árvores! Alguns deles chegaram a ganhar do Criador uma cauda preênsil que serve como 5º membro, como o macaco prego e o macaco aranha. Todavia, um primata não precisa de rabo para ser o senhor das copas das árvores, pois um dos animais mais rápidos neste local é o incrível gibão da Ásia que com um braço longo e mão em forma de longos dedos tipo gancho, pendura-se de árvore em árvore, tão rápido que parece voar entre os galhos. Seus ossos do braço são de tal maneira, que ele pode torcer o braço além do que fazemos.
Um polegar opositor é um desenho formidável para uma mão feita para agarrar galhos das árvores, isso não é exclusividade apenas de primatas, alguns marsupiais arborícolas também ganharam este projeto. Então, por que outros animais arborícolas não têm este desenho no projeto das mãos? A primeira razão é o fato de que Deus desenhou muitas criaturas para viver nas árvores, mas a maioria delas está provida de garras, o que não é o caso dos primatas. Na verdade, não ter garras cria uma série de dificuldades para obter comida no meio selvagem, a comida pode estar escondida dentro de um toco ou numa casca dura. Foi por esta razão que os primatas ganharam outra semelhança com os humanos, a inteligência unida a uma mão habilidosa.
Na Tanzânia, chimpanzés usam galhos para “pescar” cupins. Em Bornéu, orangotangos utilizam folhas como luvas para pegar frutas com espinhos ou como guardanapos. No Brasil, macacos-prego lançam mão de pedras para quebrar frutas secas[1]. Outros animais têm habilidades semelhantes para construir ferramentas, tal como o corvo que faz palitos para arrancar larvas e a lontra que usa pedras para quebrar mexilhões, mas os primatas resolvem problemas complexos com uma habilidade interessante, eles são capazes de aprender observando até mesmo aqueles que são de espécies diferentes e depois disso passar uma nova cultura para gerações seguintes. Primatas tem uma memória e capacidade cerebral bem maior que os outros aimais.
Os orangotangos estão entre os animais mais inteligentes, eles se movem pela floresta balançando o tronco e galhos finos até lhes sirvam de pendulo para mudar de árvore, este movimento exige certo raciocínio matemático para calcular o próprio peso, a força do balanço e a resistência do galho. Os orangotangos selvagens foram flagrados construindo e usando lanças para pescar, imitando pescadores da região e um tipo de macaco do Japão que habita as montanhas cobertas de gelo durante o inverno, aprendeu observando humanos a usar as fontes de água termal para aquecer-se. O cérebro dos primatas é tão desenvolvido que eles são capazes de um feito igualado apenas pelos inteligentes golfinhos, a autoconsciência, ou a habilidade de se reconhecer no espelho.
O cérebro desenvolvido é capaz de montar estratégias para trabalho em equipe. Um chocante exemplo é um bando de chipanzés que se organiza, cerca e caça macacos menores de outras espécies. A vida social dos chipanzés e outros primatas estão normalmente organizados em bandos liderados por um macho dominante, eleito pela força e que desfruta o privilégio de acasalar. Seria isso uma prova da seleção sexual e da evolução do mais apto, advogada por Darwin? Os bonobos (espécie de chipanzé) parecem contrariar a regra. Estes pacíficos macacos vivem para fazer sexo com qualquer um do bando, são totalmente promíscuos uns com os outros e não apresentam a menor seleção sexual.
De fato temos muitas semelhanças, mas o que nos faz diferentes?
Eles têm cinco dedos e polegar opositor, mas nada se compara a mão humana e a minúcia de detalhes que é capaz de confeccionar. Eles têm um cérebro capaz de aprender, memorizar e construir ferramentas, mas nós temos o dom do pensamento abstrato e a engenhosidade para construir mecanismos. Eles demonstram personalidade e até auto consciência, mas o homem além disso, tem faculdades espirituais que o habilitam a relacionar-se de modo civilizado com seus semelhantes e com seu Criador. Eles são projetados para os galhos das árvores, nós fomos projetados para termos simetria e harmonia em quase qualquer meio. Eles vocalizam, nós falamos. Eles se organizam em bandos, nós criamos civilizações e nações. Eles se utilizam do meio que vivem, nós transformamos o meio que vivemos.
Um fato marcante para evolucionistas é explicar porque os homens não são tão peludos como os macacos e outros mamíferos, há muitas idéias, mas eu tenho uma particular. Toda vez que nos olhamos no espelho e vemos o desenho singular de nosso cabelo, barba, sobrancelhas, lábios e nariz e nosso corpo nu, de alguma forma nos lembramos que não somos animais!
C. S. Lewis costumava metaforizar para ilustra nossa condição carnal de pecadores unida a uma natureza espiritual, que o homem é um hibrido de ser animal e espiritual. A Bíblia, porém diz que Deus fez um grande projeto, muito mais do que animais que distinguem cores e têm polegares opositores, a Bíblia nos diz que fomos feitos a imagem e semelhança de Deus (Gn. 1:26).
Então, voltando à pergunta, ‘por que Deus fez estes animais tão parecidos com os humanos’? O único texto da Bíblia sobre primatas mostra que o poderoso Rei Salomão se encantou com todas as formas de animais e trazia macacos de longe para seu palácio cheio de criaturas exóticas, I Re. 9:21. Vou propor algumas possíveis respostas pessoais a esta pergunta que não tem uma resposta única.
1. Nem tudo o que Deus cria tem um propósito prático do ponto de vista humano. Deus cria para Sua glória. Ele faz o que lhe apraz. Em outras palavras, alguns de seus feitos e gostos, simplesmente não são da nossa conta. Isso pode parecer estranho, mas se entendermos nosso lugar como criaturas, se torna maravilhoso.
2. Os macacos ajudam o ecossistema onde vivem, por exemplo, em alguns lugares eles são os maiores distribuidores de sementes através dos frutos que comem. Para o seu habitat, tem um desenho corporal e habilidades que facilitam esta função, que como vimos em alguns aspectos lembra muito o projeto humano, mas em outros é completamente diferente.
3. Os macacos são objeto para estudo e aprendizado humano. A medicina com humanos aprendeu muito ao estudar estes animais, o macaco resus por exemplo foi amplamente investigado e possibilitou entender o fator RH.
4. Minha última idéia é só uma desconfiança pessoal, baseada em minha observação dos homens e não dos macacos. Temos a tendência de dar aos animais características humanas e aos homens características animalescas. O homem adquiriu o hábito de rir de si mesmo, de se caricaturizar, muitas vezes se comparando aos animais. Vemos alguém e dizemos 'pare de fazer macaquices', vemos um macaco e dizemos 'parece gente'. Acho que Deus fez algo interessante com os macacos para nos ensinar uma lição, de alguma forma eles são um tipo de caricatura humana, nós mesmos nos divertimos ao observá-los e vê-los agindo semelhante a pessoas, por outro lado, eles zombam de nosso orgulho por nossa majestosa aparência.
O homem é um gênero único, não somos primatas do ponto de vista espiritual. O homem e Deus são totalmente diferentes, o homem é apenas a semelhança de Deus em alguns aspectos físicos, mentais e espirituais, mas o homem definitivamente não é Deus. Os macacos lembram muito os seres humanos, talvez até sejam a nossa imagem e semelhança em alguns aspectos físicos, mentais e sociais. Mas a lição espiritual que estas simpáticas criaturas nos passam é muito clara: O homem é mais que um animal e menos do que Deus.

Por Pr. Ericson Danese

[1] Pesquisado em http://www.cienciamao.if.usp.br/tudo/exibir.php?midia=com&cod=_macacosconstrutoresdeferramentaseaprendizesrevistacomciencian94dez2007

Nenhum comentário: