sexta-feira, 17 de julho de 2009

RÉPTEIS - Estranha Beleza

E disse Deus: Produza a terra seres viventes segundo as suas espécies: animais domésticos, répteis, e animais selvagens segundo as suas espécies. E assim foi. Gn.1:24

Eles são animais que apareceram no 6º dia da Criação e dos quais classifico como donos de estranha beleza. Dou esta caracterização pelo fato que a humanidade em geral aprendeu a ter certo asco de muitos desses animais que tem em si, uma beleza estranha e diferente, distinta e especial.
A fecundação interna e os ovos com casca os fazem diferentes dos anfíbios e peixes. Seus ovos são colocados na terra, enterrados ou em ninhos, algumas vezes deixados por si como no caso das tartarugas, outras vezes monitorados pela fêmea como no caso dos Aligátores. Seus instintos já foram programados pelo Criador para agir assim que eclodem dos ovos. As tartaruguinhas rumam para o mar, os camaleões procuram a primeira árvore que encontram, os jacarés vão para o rio e assim por diante. Poucas espécies são ovovivíparas e bem poucas vivíparas.
A maioria é carnívora, mas há grande variedade de oportunistas que comem de tudo, inclusive a dieta vegetariana. Observa-se, por exemplo, as tartarugas que em geral comem pequenos animais aquáticos, em alguns lugares se tornam vegetarianas tendo em seu bico um excelente instrumento de corte dos vegetais. O mais curioso são os iguanas, eles tem dentes pontiagudos e serrilhados como todo réptil, dentes que aparentemente servem para prender a presa, mas por estranho que pareça seus dentes são usados para arrancar folhas das árvores ou no caso do iguana marinho das ilhas Galápagos, usados para pastar debaixo d’água durante seus mergulhos para comer algas. Seriam vestígios de um ‘planejamento’ diferente do atual equilíbrio natural onde há morte e predadores?
Uma das belezas dos répteis reside em sua pele, recoberta por uma capa de escamas, a qual alguns literalmente trocam de quando em quando, como as cobras que enquanto crescem se desfazem de suas ‘roupas’ antigas, bem diferentes das escamas dos peixes ou das penas das aves que podem ser arrancadas uma a uma. As escamas podem ser em alguns casos coloridas e em outros casos como no camaleão, capazes de transmitir cores diferentes para comunicação ou de mimetizar-se com o ambiente ao redor, como as lagartixas. Há ainda escamas na forma de placas, como as que o crocodilo tem nas costas e lhe serve de placa solar, para captar energia e calor, uma vez que estes animais de sangue frio dependem da temperatura ao seu redor. Que dizer da fantástica carapaça projetada pelo Criador para as tartarugas, leve e resistente, unida ao esqueleto do animal e pode se converter em um esconderijo inexpugnável.
Existem hoje, quatro grupos vivos de répteis projetados pelo Criador, mas já existiram várias outras formas de répteis extintos depois do Dilúvio, os mais conhecidos são os dinossauros, mas também havia os sinapsídeos (répteis estranhos com dentes diferentes da maioria dos répteis), os pterossauros (répteis alados), os ictiossauros e plesiossauros (répteis aquáticos). Os grupos que sobreviveram são:
Os Quelônios ou Testudinatas, no qual encontramos as tartarugas, cágados e jabutis. Alguns destes animais são bastante longivos, podendo viver mais de 100 anos! Em geral as tartarugas, famosas por sua lentidão gostam da água (embora existam muitos espécimes terrestres como os jabutis). A tartaruga marinha é mais um mistério de navegação e migração, para ela, que passa quase toda sua vida na água e só vem a terra para desovar, o Criador lhe deu braços na forma de remos, na verdade, ela pode passar muito tempo submersa, pois seu organismo desenhado para os longos mergulhos entra num estado de bradiocardia, onde o coração bate mais devagar e a respiração é auxiliada por um recurso acessório que retira oxigênio da água pelas vias faríngeas e cloacais.
O próximo grupo é a ordem Crocodilia, que envolve os jacarés e aligátores das Américas, os crocodilos da África e Ásia e o singular gavial da Índia com sua mandíbula fina e dentuda para pescar. Estes animais são predadores poderosos, muito bem equipados para sorrateiramente apanhar suas presas num golpe rápido, dentro ou na margem da água. Em geral vivem em água doce, mas há o crocodilo marinho ou de estuário com até 6 metros que habita os litorais Australianos. Os olhos dos crocodilianos são posicionados acima da cabeça, para vigiar enquanto estão submersos, mas como outros répteis eles tem pálpebra superior e inferior, além da membrana nictitante que lhes permite além da visão espetacular uma visão submersa.
O grupo menos conhecido dos répteis é dos rhynchocephalia, que tem como representantes apenas duas espécies de tuataras que habitam as longínquas ilhas da Nova Zelândia. O tuatara, considerado como um fóssil vivo, pois seus restos mostram que convivia com os dinossauros, parece um lagarto, mas não é! Na verdade, o tuatara é um animal mosaico, misturando características de vários grupos, tal como dentes fundidos aos maxilares e ausência de órgãos externos auditivos e de copulação. Este pequeno animal de 60 cm chega a maturidade aos 35 anos de vida, coloca ovos a cada 4 anos que demoram depois da cópula entre 12 e 15 meses para nascer, mas podem viver até 100 anos. O mais surpreendente, é que o tuatara diferente dos outros répteis que gostam de locais tropicais, não suporta temperaturas acima dos 27º C.
A última ordem é dos squamata, divididos entre lagartos e cobras. Estes escamosos que assustam muita gente também têm sua beleza expressa na diversidade das obras do Criador. Os lagartos e tuataras têm uma espécie de olho pineal no alto de sua cabeça, uma região translúcida, coberta por escamas que tem função ainda um tanto desconhecida. Acredita-se que funciona como um tipo de foto sensor para cores que o ajuda a perceber mudanças climáticas e ativar o sistema de hibernação. O sistema excretor de alguns répteis elimina o mínimo de água possível o que habilitou a muitos conquistar os desertos.
Os lagartos vão desde algumas espécies de pequeninos camaleões do tamanho de uma unha humana até os Komodos com 3,5m e 125kg. Camaleões também são grandes caçadores, movendo-se silenciosamente com seus dedos opostos e uma cauda preênsil desenhada para quem vive nos galhos das árvores, com olhos fantásticos capazes de rastrear cada um para um lado diferente até que acham algo e os focam no alvo, disparando sua longa e adesiva língua dotada de uma estrutura sanfonada que captura o inseto e o traz a boca do animal.
Outro mestre dos disfarces é o pequeno geco ou lagartixa, ao qual o sábio homenageou com um provérbio (Pv. 30:28) e o Criador presenteou com patas recobertas de micro fios adesivos, que a tornam capaz de subir superfícies verticais lisas. Entre elas se destaca a lagartixa rabo de folha, que durante o dia faz seu mimetismo nas árvores tornando-se virtualmente invisível, mesmo os olhos tomam a cor e forma da casca das árvores.
Mas se o mimetismo não for suficiente para fugir dos predadores, há muitas maneiras de escapar para os lagartos, muitos deles são capazes de deixar para traz o rabo, que pode logo crescer novamente, uma vez que os répteis em geral têm grande poder de cicatrização e regeneração. Se ainda não for o bastante, há outras estratégias como a do moloque, um réptil do deserto com o corpo coberto de espinhos, ou ainda outro lagarto que desce as dunas de areia rolando após prender o rabo com a boca e tornar-se uma roda de escamas ambulantes, ou ainda, o lagarto de chifres que espirra sangue pelo canto do olho surpreendendo seus perseguidores.
O basilisco, no entanto é capaz de um feito notável, fica em duas pernas para correr tão rapidamente que é capaz de atravessar trechos d’água correndo pela superfície sem afundar. O draco, da Ásia por sua vez supera a todos, pois se atira das altas árvores onde mora e abre as costelas formando um planador capaz de levá-lo para outra árvore mais segura. Em tudo isso há graça de Deus que permitiu a estas pequenas criaturas sobreviverem num mundo contaminado pela morte.
Aproximar-se de um réptil é algo que deve ser feito com cautela, alguns lagartos monitores podem usar suas caudas como um chicote para se defender, mas o enorme dragão de komodo da Indonésia, mata por virose. Armado de garras e enormes e dentes afiados, morde sua vítima (pode ser um búfalo) que morrerá de infecção causada pelo grande número de bactérias existentes na sua boca. Ele pode sentir o cheiro de carniça a 4km. O cômodo rastreia a vítima pelo cheiro e quando a encontra, devora tudo incluindo ossos e cascos. Em geral os lagartos não são venenosos, exceto o gorducho monstro gila, que pelas cores amarelo e preto já passa o recado que é venenoso.
Veneno está presente no grupo mais temido dos rastejantes, as cobras. Existe ofídios de todo tamanho e habitam todo lugar desde as cobras terrestres e de hábitos subterrâneos como a coral, arborícolas como a jibóia, em desertos como a cascavel, aquáticas como a sucuri e até no oceano como a serpente marinha. Todas as cobras são carnívoras, mas nem todas são venenosas, as constritoras matam pelo esmagamento e asfixia, tal como a píton, a jibóia e a sucuri capaz de soltar sua maxila e dilatar suas costelas até engolir uma capivara. As peçonhentas usam um sentido térmico localizado entre os olhos e as narinas para detectar o calor de suas vítimas e ainda como os lagartos em geral, podem lamber o ar para sentir os odores. As venenosas têm um coquetel de toxinas mortais capazes de paralisar e matar. Na verdade, seu veneno é nada menos do que a química de seus estômagos e saliva modificada, mais uma conseqüência dos efeitos do mal que faz a natureza de nosso planeta gemer aguardando a redenção. Porém as cobras têm seu papel destinado pelo Criador, elas controlam populações de outros animais, especialmente roedores, para que não virem uma praga, na verdade há até mesmo cobras especializadas em só comerem outras cobras!
As cobras na Bíblia sempre lembraram o inimigo de Deus e da humanidade, (Gn.3 e Ap.20:2)bem como o triste episódio em que fomos envenenados pelas mentiras de um anjo disfarçado. Talvez seja por isso que os répteis nos causem tanto asco de lá para cá. Mas há um estranho relato na Bíblia, de certa feita quando serpentes do deserto invadiram o acampamento de Israel e morderam o povo rebelde. Naquela ocasião, Deus mandou Moisés fazer um símbolo no mínimo estranho para representar a graça Divina, uma serpente de bronze levantada numa vara (Nú.21).
No encontro com Nicodemos, Jesus fez alusão a este episódio ao falar de Si mesmo e da necessidade de Sua morte. “Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem. E como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna.” S. Jo 3:13-15. Por que Jesus usou como Seu símbolo a serpente que costumeiramente é usada como símbolo para Satanás?
O apóstolo Paulo diz que um Deus sem pecado, tomou aparência de pecadores para experimentar em sua carne a nossa condenação à morte eterna “Aquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.” 2 Cor. 5:21. O veneno do pecado afetou, mas não contaminou a Cristo, o pecado o feriu, mas não conseguiu destruir-lo e ao vencer a morte, desenvolveu um tipo de ‘soro’, capaz de curar seres fracos como nós, vítimas do veneno. Isto ocorreu na cruz, por isso uma serpente levantada é um símbolo adequado, pois do próprio veneno do pecado, ou seja, a morte foi usada por Cristo para fazer a cura de toda a raça humana que pela fé aceita o antídoto.
É assim que se fabrica o anti veneno, injetando uma dose em um ser mais forte que é capaz de reagir e criar as defesas capazes de curar um ser mais fraco. Chegará o dia, porém que os répteis com sua estranha beleza serão inofensivos companheiros de brincadeiras para as crianças de uma Nova Terra, “A criança de peito brincará sobre a toca da áspide (serpente), e a desmamada meterá a sua mão na cova do basilisco (lagarto). Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte; porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar.” Isa. 11:8-9.

por Pr. Ericson Danese

Um comentário:

Escritório Virtual disse...

Pastor, o sit ta show...continue como blog, será nosso grande laboratório de estudo...Deus o Abenço smepre...Maranata!!!
Marcelo Milani