sexta-feira, 23 de abril de 2010

Caminhando com Jesus - 7

O Ministério em Cafarnaum e a escolha dos '12'

Rejeitado por Nazaré, Jesus ruma para uma cidade não muito distante chamada Cafarnaum, um local estratégico, caminho de vários peregrinos e movimentada por pescadores e mercadores as margens do lago chamado de mar da Galiléia.
Não sabemos exatamente onde Jesus instalou-se quando chegou, mas provavelmente fora na casa de um de seus amigos e discípulos, talvez Pedro ou João. Por certo é na casa de Pedro que Jesus vai morar por algum tempo a partir do momento que os pescadores passam a segui-lo integralmente e vai usar este local, como base de suas atividades.
Na verdade, os discípulos ainda tinham sérias dúvidas quanto a identidade e propósitos de Jesus, eles haviam aceito o testemunho de João Batista o qual admiravam e respeitavam, mas não podiam compreender porque Jesus não havia resistido ou se rebelado com a prisão de João. Julgaram um tipo de covardia a retirada para a Galiléia e frustrados, voltaram a seus afazeres de pescadores. Neste ínterim, eis que surge Jesus caminhando pela praia, rejeitado por Nazaré e recém chegado em Cafarnaum.
Aquela noite de pesca havia sido frustrante para os galileus, Pedro e seu irmão André estão lavando as redes vazias, Jesus é seguido por uma multidão curiosa, pois sua fama em Cafarnaum é grande desde que curara o filho do oficial. Apertado pelo povo na pequena orla da praia, Jesus sobe no barco de Pedro para poder falar ao povo. Seu discurso é muito apropriado tanto para os ouvintes, quanto para os discípulos, ele fala sobre as provações e como suportá-las.
Findo o sermão pede que os pescadores, seguidos de Tiago e João em outro barco, rumem para águas profundas onde ocorre o milagre da pesca maravilhosa. Neste milagre se dá o poderoso chamado de Cristo aos pescadores, Jesus estava a lhes mostrar que apesar de ser um rejeitado e sem casa, podia suprir todas as necessidades de seus seguidores. Também estava a testá-los se eram capazes de deixar tudo na hora de maior prosperidade. Jesus chama Pedro e depois na praia os outros três, daquele momento em diante se tornaram discípulos e seguidores em tempo integral.
No próximo sábado na cidade de Cafarnaum eles foram à sinagoga, onde Jesus pregava sobre o Reino de Deus, quando Satanás o enfrentou possuindo um rapaz. No intuito de distrair os ouvintes, Satanás foi frustrado pelo poder e autoridade de Jesus, o fato público contribuiu ainda mais para a fama de Jesus se espalhar pelos arredores de Cafarnaum.
Saindo da casa da sinagoga, eles retornam para a casa de Pedro. Aparentemente é neste trajeto que deve ter ocorrido o episódio em que ele e os discípulos com fome colhem espigas no sábado, para comer alguns grãos no intuito de dissipar um pouco da fome. O debate a respeito do que se pode e não se pode fazer no sábado parece ter inibido o povo, que só o procurou em busca de seus milagres no fim da tarde, após o pôr do Sol.
Na casa de Pedro, Jesus encontrou a sogra do pescador doente e depois de curá-la, descansa até o fim da tarde. Quando chega o pôr do Sol, multidões vêm à casa de Pedro para serem curadas e o Mestre trabalha nisso até altas horas. Findando os labores, ele despede o povo e os discípulos e depois de repousar brevemente vai orar cedo de madrugada.
No domingo pela manhã, Jesus já é procurado pelos discípulos e pela multidão e insiste que tem que percorrer as aldeias vizinhas, descendo do local onde os discípulos o acharam orando um leproso o aborda, esta é a primeira vez que Jesus cura um leproso (Lc.5:12-16). Desde os dias do profeta Elizeu não se via um milagre como esse!
Depois disso, nos dias que se seguem, Jesus parte com os discípulos e evangeliza as cidades vizinhas durante aquela semana, sua fama corre por toda Galiléia, Síria, Decápolis, Jerusalém e Judéia.
Eles devem ter retornado provavelmente na sexta feira, aparentemente o Evangelista Marcos parece encaixar o retorno das pregações pela Galiléia com o episódio da Cura do Paralítico de Cafarnaum (Mc.2). Pedro morava beira mar, eles voltam daquela semana e Marcos diz que ele estava ‘em casa’, talvez por que ‘sua casa’ fosse na verdade a casa de Pedro, onde ficava hospedado, de fato, EGW diz que o milagre da cura do paralítico descido por cordas se dá aí na casa de Pedro. Este episódio marca a observação dos Fariseus que saem dali tramando a morte de Jesus.
Depois disso Jesus saiu caminhando com o povo pela praia, onde ensinava, é neste momento que vê Mateus, um publicano que trabalha na alfândega (talvez um tipo de tarifa portuária). Levi Mateus é chamado a fazer parte do grupo dos discípulos de Jesus, talvez Mateus fosse irmão do 2º Tiago mencionado na lista dos apóstolos, pois ambos são chamados de filhos de Alfeu. Quem sabe assim como ocorreu com André e Pedro, tenha ocorrido com Mateus e Tiago, um tenha chamado o outro.
O segundo sábado que Jesus passou em Cafarnaum deve ter sido o sábado da cura da mão ressequida (Mc.3:1-6) pelas seguintes razões:
• O clima de trama por parte dos fariseus no episódio do paralítico de Cafarnaum encontra paralelo com o clima de observação e acusação na sinagoga no dia da cura da mão.
• Mc diz que ao deixar a sinagoga foi seguido por multidão onde fazia curas e recomendou que os discípulos tivessem um barquinho, o que combina com as curas e o sermão do barco sobre as parábolas, quando depois ele atravessar o mar.
• Sabemos que o sermão do monte se deu depois do banquete na casa de Levi, que é depois da volta de Gadara, também sabemos que a nomeação dos 12 e o sermão do monte, segundo Mc ocorreram depois da cura da mão ressequida.
O texto de Mc diz que saindo dali foi seguido pela multidão e fazia milagres, agora o povo já não tem medo de ser curado no sábado, o texto de Mateus diz que lhe apresentam um endemoninhado cego e mudo (Mt. 12:22) o qual a Sra. White menciona que foi sua segunda cura deste tipo, Jesus foi então acusado pelos Fariseus de expelir demônios pelo poder de Satanás. Mateus introduz o episódio com a família de Jesus no fim do debate com os Fariseus relatado no cap. 12. De fato, EGW diz que os irmãos de Jesus vêm na intenção de fazê-lo parar com seus sinais e pregações, pois eles temem a impopularidade da família graças a ira dos líderes religiosos.
Mt. 13, menciona que naquele mesmo dia, Jesus saiu de casa (provavelmente a casa de Pedro) e assentou-se a beira mar onde proferiu as parábolas sobre sementes e outras. É fim da tarde e Jesus prega do barco de Pedro, ao fim do sermão ele coloca a prova quem o quer segui-lo, entre os ouvintes e candidatos está Judas.
Findando o sábado e entrando noite após tantas atividades ele e os discípulos cruzam o mar da Galiléia em direção a terra dos geresarenos onde expele os demônios dos loucos e é rejeitado pelo povo depois que os porcos se atiram no mar. Durante a travessia Jesus dorme de tão cansado e os discípulos são surpreendidos com a tempestade no mar, quando então Jesus faz o milagre de acalmar a tempestade.
Na manhã de domingo Jesus enfrenta os Gadarenos, é rejeitado pelo povo que perdeu seus porcos, volta para Cafarnaum, onde pela tarde deve ter jantado na casa de Levi que providenciou um banquete para seu novo Mestre e o apresentou aos seus amigos publicanos.
Não podemos saber se o banquete foi um jantar ou almoço, mas depois da festa de Levi e do episódio com os publicanos, Jesus é chamado às pressas por Jairo (líder da Sinagoga) para curar sua filha. No caminho, Jesus é tocado pela mulher com fluxo. Mateus diz que depois da ressurreição da menina Jesus curou dois cegos, e um endemoninhado mudo.
Podemos supor que o chamado dos 12 apóstolos se deu naquela segunda feira devido às seguintes razões:
• Os evangelistas e EGW em geral parecem concordar que a nomeação dos 12 ocorreu depois das parábolas das sementes e depois da cura da mão ressequida. Lucas coloca a eleição depois das curas a beira mar.

• EGW aponta que Jesus teria orado por toda a noite, então não pode ser a mesma noite da travessia no mar, nem pode ser o sábado que pregou na sinagoga.
Nesse auge da popularidade e curas de Jesus, ele já é procurado todos os dias pelas pessoas, Jesus escolhe os 12 e os chama a um lugar reservado, provavelmente uma elevação por perto do mar, onde os ordena e dá as instruções do discipulado. Ao descer vai caminhando com os discípulos pela praia, ele vai pregar o sermão do monte, mas como se aglomera uma multidão ele vai a uma elevação e se assenta de onde prega as ‘bem aventuranças’.
Saindo do sermão vão para a cidade, onde encontram o Centurião e se dá a cura de seu criado. Na terça feira Jesus já está decidido a pregar por toda a Galiléia, os discípulos estão organizados e motivados para isso, na partida Jesus cura o filho da viúva de Naim. Os principais trabalhos em Cafarnaum estão se terminando, Jesus, agora com os 12, ganhará a Galiléia!

terça-feira, 13 de abril de 2010

CAMINHANDO COM JESUS - 6

As Primeiras Polêmicas do Homem mais famoso da história

Depois do casamento de Caná e seu primeiro milagre, Jesus e seus primeiros discípulos retornam para a Judéia e rumam a Jerusalém para celebrarem a Páscoa. Nesta ocasião, Jesus é surpreendido com o comércio e exploração dos cambistas do Templo e ocorre pela 1ª vez a purificação do Templo onde ele expulsa os vendilhões.
Nesta primeira Páscoa relatada no ministério de Jesus, ele chamou tanto a atenção das autoridades judaicas que logo se tornou famoso como mestre e foi procurado por um eminente membro da liderança judaica. Nicodemos (S. Jo.3), um dos principais Fariseus encontrou-se em oculto com Jesus, curioso, mas temeroso da opinião pública teve uma conversa com o mestre Galileu a noite, quando ninguém o soubesse. Nicodemos parecia convencido da autoridade de Jesus, mas não de sua identidade Messiânica. Ao longo do diálogo, Jesus trata sobre o novo nascimento, o batismo, uma nova perspectiva de vida e principalmente; Jesus dá um sinal a Nicodemos (S. Jo.3:14), quando vissem o Filho do Homem (Jesus) levantado assim como Moisés levantou a serpente no deserto, então os que cressem nele teriam a vida eterna.
O interessante sobre a conversa com Nicodemos, foi que este Fariseu não se tornou um imediato seguidor de Jesus, a verdade ficou no coração dele ao longo dos próximos três anos, mas a Providência o manteve no tempo e no lugar certo onde Nicodemos faria diferença para ajudar o ministério de Jesus, (ver S. Jo.7:45-53). Apenas após a morte de Jesus, Nicodemos se tornará seu seguidor aberto.
Nicodemos é conhecido na tradição judaica como um homem piedoso e generoso que ajudou os peregrinos judeus nas festas religiosas, também é Nicodemos com José de Arimatéia que honrou o corpo do Mestre e foi Nicodemos quem se desfez de sua fortuna para patrocinar os primórdios da pregação dos apóstolos.
Depois da 1ª Páscoa e do encontro com Nicodemos, Jesus pregou nos arredores da Judéia e fez alguns batismos com seus discípulos, quando então o ministério de Jesus começa a se projetar paralelamente ao de João Batista que testemunha favoravelmente em prol de Jesus com a famosa frase ‘convém que ele cresça e que eu diminua’.
Saindo da Judéia ele e os discípulos retornam para a Galiléia, quando no caminho passam por Samaria e Jesus tem o encontro com a mulher Samaritana no poço de Jacó. Para esta mulher que vivia desesperançada no pecado e rejeitada pela sociedade, Jesus revelasse claramente como Messias (S. Jo.4:25-26). Esta é a primeira vez que Jesus ensina aos discípulos não serem preconceituosos, demonstrando que o poder do evangelho é capaz de redimir a todos, mesmo aqueles que eles consideravam mais perdidos.
A mulher volta à cidade Samaritana e testemunha há alguns dos seus habitantes que vão ao encontro de Jesus e crêem nele. Jesus fica ali dois dias pregando e ensinando entre os Samaritanos. Chegando a Cafarnaum, Jesus cura o filho do oficial de Cafarnaum (S. Jo. 4:46-54), fato que o deixa famoso e popular na cidade, mas Jesus e os discípulos retornam a Jerusalém para a festa de S. Jo.5, onde cura o paralítico do tanque de Betesda e gera grande polemica quanto a sua autoridade de curar no sábado. No mesmo dia, mais tarde no Templo, Jesus, o curado e os judeus se encontram e ocorre o primeiro grande debate entre Jesus e as autoridades religiosas dos seus dias.
Nesta ocasião Jesus defende sua identidade Messiânica e autoridade ao argumentar que as Escrituras testificavam dele (S. Jo. 5:39). Esta foi a primeira grande discórdia entre Jesus e os líderes judeus que já o intentavam matá-lo (S. Jo. 5:18). O clima está muito tenso na Judéia em virtude desse desgaste público entre Jesus e os líderes judeus, pouco depois disso João Batista também foi preso por Herodes e as circunstâncias pedem que Jesus mude de lugar e estratégia para que seu ministério não termine antes do tempo.
Novamente, ele e seus amigos retornam para a Galiléia, um tanto frustrados porque Jesus não declarou-se rei e por ter aparentemente abandonado João Batista, os primeiros discípulos retornam a suas atividades cotidianas em Cafarnaum, enquanto Jesus retorna a sua cidade de origem, onde mora sua família e conhecidos, Nazaré.
Ao chegar em Nazaré sua fama já o precedia e os locais já sabia da antipatia das autoridades de Jerusalém para com ele, porém o povo deveria estar no mínimo curioso para saber porque o filho do carpinteiro local tinha se tornado uma figura pública na capital. Por certo almejavam ver dele algum grande milagre ou sinal dos quais tinham ouvido falar que ele fazia.
Quando tiveram a oportunidade de encontrá-lo na reunião pública de sábado na Sinagoga, foi lhe dado a oportunidade de ler e comentar as Escrituras, ao que Jesus aplicou um texto Messiânico do livro de Isaías a si mesmo. Mas quando os Nazarenos exultaram com a idéia de que Jesus os lideraria numa revolta e libertação dos Romanos, Jesus desvendou suas intenções egoístas, sua falta de fé e seu preconceito.
Ao serem repreendidos, os Nazarenos sentiram-se tão ofendidos que fizeram o ato mais extremo de rejeição a um judeu, expulsaram Jesus da sinagoga e da própria cidade, na verdade intentavam matá-lo jogando-o de cima de um monte, mas Jesus passando entre eles livrou-se e deixou Nazaré para nunca mais morar naquele lugar.
No próximo capítulo de 'Caminhando com Jesus', o Mestre muda-se para Cafarnaum e elege seus 12 discípulos mais achegados e o ministério de Jesus ganha popularidade.
por
Pr. Ericson Danese