sexta-feira, 7 de maio de 2010

Dinossauros - Uma propósta Criacionista


“Quão grandes são, ó Senhor, as tuas obras! quão profundos são os teus pensamentos!” Salmos 92:5


Sir Richard Owen, foi o famoso anatomista e zoólogo que idealizou o Museu Britânico de História Natural. Owen era um Criacionista convicto, acreditava que Deus havia criado os seres vivos com padrões comuns que demonstravam seu estilo e autoria através das formas com estruturas e padrões semelhantes (homologia).
Enquanto a maioria dos naturalistas do seu tempo eram Criacionistas Fixistas por mero desconhecimento tanto Bíblico quanto natural,(ver nota 1), Owen era um Criacionista (ver nota 2) a frente de seu tempo. Ele não apenas aceitava a criação por um Deus inteligente e pessoal, como também admitia e entendia variações , especializações e aparentemente aceitava o que os Criacionistas de hoje chamam de ‘micro evolução’. Todavia Owen rejeitou veemente o conceito de origem comum de todas as espécies e a evolução humana a partir de seres simiescos, conforme proposto pelo Darwinismo.
O próprio Darwin, no início de seus estudos consultou Owen, por considerá-lo uma grande autoridade científica. Owen identificou os fósseis enviados por Darwin de um Megatério da América do Sul. Mas, quando o livro ‘Origem das Espécies’ foi publicado e com o tempo as idéias da Teoria da Evolução tomaram o curso em direção ao materialismo filosófico que bania Deus do plano criador, Owen e Darwin divergiram de tal maneira que a antiga amizade terminou em críticas terríveis de ambas as partes. Por manter sua firmeza contra a visão anticriacionista, Owen foi duramente perseguido, caluniado, criticado e apesar de suas grandes contribuições a história natural foi lentamente isolado e esquecido!
Com o passar dos anos, os inimigos da religião e aliados de Darwin tais como Huxley e outros, lentamente ridicularizariam a fé a tal ponto que a visão materialista tomou conta do cenário e o grande cientista Richard Owen foi esquecido e o Criacionismo rejeitado. Coube, porém a Richard Owen a honra de realizar os primeiros estudos e batizar o grupo de animais extintos mais famosos do mundo, Owen criou o nome ‘dinossauros’ em 1842!
Embora os paleontólogos evolucionistas sejam a maior fonte de informação sobre estes antigos animais, não é difícil interpretar estas informações a luz do Criacionismo. Responderemos as perguntas: Por que alguns desses animais adquiriram aparência de animais titânicos e monstruosos? Isto foi criado por Deus? Quando e onde viveram estes animais, uma vez que baseados no relato literal da Criação (pelo menos foi assim que Jesus interpretou Gênesis, ver Mt. 19:4-5 e Mt. 24:37-38) não concordamos com a interpretação de história darwiniama e de incontáveis eras de gradualismo geológico?
Não irei entrar em questões de datação radiométrica ou geológica, para estas dúvidas consulte http://www.scb.org.br/ e veja 'perguntas frequentes' sobre datação.
Irei responder as questões propostas do ponto de vista de quem nem se preocupará em definir a origem dos Dinossauros, pois ainda que criticados, somos Criacionistas e tal como Richard Owen e Georges Cuvier os pais da Paleontologia e não temos problemas de conciliar fé e ciência. Sabemos que foi Deus quem criou estes animais assim como todos os outros seres vivos. Tal como Owen, eu sei que Deus fez todas as coisas, mas nem todas as coisas permaneceram do jeito que Deus as fez.
Façamos uma viagem, não há milhões e milhões de anos, mas ao tempo em que os descendentes de Adão e Eva andavam sobre a Terra, talvez mais ou menos uns seis mil anos atrás. Em algum lugar daquele mundo perdido, Noé está terminando sua arca e uma próspera civilização está chegando ao fim. Este também é o mundo dos dinossauros, assim como muitos outros animais desaparecidos.
Mas não se enganem, homens e dinossauros não vivem juntos! Talvez, nem se quer tenham se conhecido. Se é que se conheceram, nunca habitaram no mesmo lugar. Mas como isto é possível?
Biogeografia é a resposta! Ursos polares vivem na mesma época e planeta que eu e você, mas eu só os vi em jaulas e na TV. Nunca fui no Alaska, assim como camelos e ursos polares também são contemporâneos, mas se hoje um dilúvio devastasse a terra, soterrando e fossilizando muitos animais, fósseis de camelos e ursos polares nunca seriam encontrados juntos! Biogeografia ou Paleozoneamento quer dizer que homens viviam em um lugar e dinossauros em outro e quando o Dilúvio os alcançou, os soterrou em momentos diferentes e por isso nunca são encontrados juntos. Homens e dinossauros nunca viveram juntos antes do Dilúvio, viviam na mesma época e planeta, mas em lugares diferentes. Sabemos disso porque suas pegadas e fósseis não são encontradas juntas. A civilização humana estava concentrada e não era tão grande até então.
Voltando a nossa viagem, vamos à biogeografia dos dinossauros. Há vários lugares assim em todo o globo, já não são os pântanos baixos dos grandes anfíbios e nem os platôs e colinas altas e temperadas dos mamíferos. No reino dos dinossauros, as plantas com fetos vão diminuindo e o que se encontra agora são regiões mais secas que os pântanos, com florestas de gincos, sequóias, pinos variados e palmeiras de muitos tipos. Conforme se avança para o interior e se sobe a lugares mais altos, a floresta tropical começa a dar lugar para flores que não eram encontradas nos lugares mais baixos. As condições são tão diferentes de hoje, que até mesmo perto dos pólos há calor e vegetação abundante para transformar esta estufa global num paraíso para répteis.
Nestas regiões que vamos chamar de ‘vales Mesozóicos’ prosperam um tipo singular de animais, eles vão desde o tamanho de um peru até mais de 30m de comprimento . Eles parecem répteis, mas seus esqueletos têm algumas diferenças, por exemplo, a posição reta dos membros, pois em geral os répteis têm pernas que saem da lateral do corpo e se dobram de forma que o animal rasteja. Seus ossos parecem fazer dos dinossauros animais únicos! Os cientistas ainda debatem se eles tinham sangue quente ou frio e a conclusão de alguns é que os Dinossauros não eram nem répteis convencionais e nem como os animais conhecidos de sangue quente .
Os vales do Mesozóico abrigam três estratos de animais. No primeiro deles, encontramos as criaturas do Triásico, pequenos predadores e herbívoros ainda não tão grandes. No estrato jurássico temos dinossauros peso pesados de longos pescoços que desfolham as coníferas e no seu encalço predadores maiores e ferozes para abater estes grandes animais. Mas é nas grandes áreas de vegetação do cretáceo que inúmeras formas de dinossauros devoradores de plantas encontram seu sustento, também é ali que seus predadores os espreitam. Nestas regiões mais elevadas e de grandes selvas, também habitavam alguns mamíferos e aves que desafiavam o mundo dos gigantes. Este é o reino de alguns dos maiores animais que o mundo já conheceu, até os céus são cortados por répteis alados e os grandes lagos e mares internos estão repletos de répteis aquáticos.
Embora Deus tenha criado toda esta variedade de vida, o pecado trouxe maldição sobre a Terra que já não produz como antes. A misericórdia de Deus faz com que os animais sejam prolíferos para sobreviverem, ou seja, muitos nascem para substituir os que perecem, todavia a morte e a proliferação leva a natureza a uma certa desordem. É esta desordem que tem que ser controlada.
Há grandes herbívoros que movimentam o ciclo da vida, mas se estes não forem controlados, sua população ameaçam sua própria sobrevivência destruindo os recursos antes que se renovem. Assim, no mundo dos grandes dinossauros tal como hoje, há presas e predadores.
Entre os dinossauros encontramos muitos grupos diferentes, a maioria de herbívoros e outro grupo, os predadores conhecidos como terópodes, carnívoros bípedes que corriam com pernas que lembravam grandes avestruzes. Entre os herbívoros, os animais estavam equipados para devastar toneladas de vegetação por dia.
O grupo dos Ceratopsídeos tinha um poderoso bico córneo, característica compartilhada com alguns outros dinossauros que deveriam ser capazes de romper plantas carnudas assim como as tartarugas quebram corais ou despeçam cactos espinhosos. Já o Iguanodonte que podia ficar em duas ou quatro patas, combinava o bico para cortar vegetação com um conjunto de 100 dentes para moer.
A vegetação mais baixa era pastada pelo grupo dos Estegossauros e Anquilossauros, enquanto a copa das árvores era devastada pelos gigantes de longo pescoço conhecidos como Saurópodes os quais tinham dentes ralos para arrancar e engolir a vegetação. Mas no mundo dos dinossauros, os chamados dinossauros bico de pato estavam para as plantas, tal como os nossos ungulados estão hoje para os campos. O Anatossauro e o Anotitam tinham conjuntos de estranhos dentes para moer a vegetação que podiam chegar há algumas centenas.
Do ponto de vista ecológico estes gigantes devoradores de vegetação poderiam facilmente aniquilar a flora caso não tivessem suas populações controladas por predadores. Por outro lado, do ponto de vista dos predadores os grandes herbívoros eram gigantescas refeições ambulantes! Foi por isso que muitos herbívoros precisaram de defesas.
Os Ceratopsídeos tinham perigosos chifres sobre a cabeça e uma gola óssea no fim do crânio que protegia seu pescoço. Os Triceratops, membros mais famosos desta família de dinos, pastavam tranqüilos e se perturbados, poderiam escornear fatalmente seu adversário tal como hoje os búfalos fazem com os leões. O Pentaceratóps, parecia o Triceratops com seus três chifres, mas possuía mais dois um em cada bochecha enquanto o Stiracossauro tinha sua gola óssea transformada em 6 pontudos chifres. Estes valentões vegetarianos que tinham entre 6 e 10m de comprimento eram respeitados mesmo pelos maiores predadores.
Alguns dinossauros desenvolveram poderosas armaduras para se defenderem. Os Nodossauros, o Edmontonia e o Polacanto tinham grandes espinhos ósseos que mantinham afastados seus rivais. Os Anquilossauros, Eplocéfalo e Gastonia eram como carros blindados, revestidos de placas ósseas que os protegiam da cabeça até a cauda, muitas vezes terminadas numa bola dura de ossos que servia de arma de golpear, assim como uma maça nas mãos dos guerreiros medievais.
É intrigante pensar que estes animais fossem muito diferentes antes do pecado amaldiçoar a Terra, mas talvez eles não precisassem ser tão diferentes assim. Os Estegossauros são um grupo de dinossauros de corpo grande, cabeça muito pequena e duas fileiras de placas ósseas que percorrem sua coluna até o fim da cauda transformando-se em espigões. Num primeiro momento podemos analisar estas placas como defesas do Estegossauro, mas talvez servissem no início para ajudar a regular a temperatura do animal. Curioso, é que em algumas espécies estas placas se tornaram pontas afiadas como no caso do Quentrossauro, ou placas não pontudas como o Wuerhossauro.
Estes adornos, além de contribuir para o esplendor do animal e louvar o Autor de todas as coisas belas ajudava a chamar a atenção da fêmea. Ainda se investiga se este era o uso, ou se era como termorregulador que alguns dinossauros de grupos muito diferentes possuíam uma espécie de ‘vela’ nas costas, tal como o caso do Spinossauro, do Amargossauro e do Ouranossauro.
De fato, entre os répteis atuais temos visto seres curiosos como o camaleão de Jackson que tem três chifres inúteis a não ser para pequenas disputas entre os da mesma espécie, enquanto outros têm protuberâncias no nariz, apenas como um tipo de adorno. O que dizer da gola dos lagartos australianos ou das franjas do basilisco? Ou ainda das cristas dos iguanas? E as serpentes, com suas cores brilhantes? A real aparência dos dinossauros é mistério escondido nos fósseis!
Deus criou todas as variedades, mas depois do pecado muitas delas devem ter mudado de utilidade. Os fósseis não podem revelar se um animal podia se camuflar, mudar de cor como um camaleão ou se era colorido como muitos répteis de hoje. Possivelmente isto tenha acontecido com algum dinossauro, o Chasmossauro tinha sua crista óssea vazada, o que provavelmente indica que era mais usada para comunicação visual do que para defesa, assim era também com outros Ceratopsídeos como o Paquirinossauro e o Centrossauro tinham adornos que pareciam ajudar muito pouco para defesa ou combate.
Os adornos na cabeça de dinossauros são os mais curiosos, eles são encontrados na cabeça de predadores vorazes como Ceratossauro que tinha um cifre nasal, no Crylophossauro com um tipo de crista sobre os olhos, ou as cristas duplas e paralelas do Dilofossauro. Alguns adornos os faziam parecer imponentes e ameaçadores, tal como os o Carnotauro com dois chifres sobre os olhos.
Já entre os herbívoros Coritossauro, Lambeossauro e os Saurolophos tinham cristas ósseas e o Tsintaossauro tinha um único chifre na forma de antena. Uma das espécies mais comuns dos vales do Mesozóico eram os Parassaurolofos, cujas cabeças tinham uma projeção de 1,6m a partir de suas narinas feita de um osso oco. Sua utilidade permanece um mistério, mas os palentólogos têm apostado que o animal os usava como câmara de ressonância sonora para transmitir sons.
Os adornos cefálicos assim como outros, podem ter sido convertidos em defesas, assim como as cabeças dos Paquicephalossauros que podiam usar a camada óssea de seu crânio para golpear os adversários. Garras para cavar, arrancar viraram esporas de defesa como no caso dos Iguanodontes. Outras vezes, ferramentas corporais foram convertidas em defesas, pelo menos é o que parece ter ocorrido com um dos mais estranhos dinossauros conhecidos, um herbívoro de 4,6m de altura, bípede de garras dianteiras longas com até 1m de comprimento, chamado Therezinossauro. Como ele usava estas garras? Para arrancar alimento? Como defesa? Não podemos saber ainda.
Mas quem precisa de garras, carapaças ou chifres quando se é grande demais para ser abatido? Essa foi a estratégia do grupo dos Saurópodes, enormes herbívoros como Diplodoco uma maravilha do nosso Criador, um animal de 45m de comprimento, sendo que o longo pescoço tinha 15 vértebras, o dorso 10 e longa cauda que podia servir como um chicote gigante tinha 70 vértebras até a ponta. O Braquissauro com seus 15m de altura e 90 toneladas devorava as alturas das árvores graças a suas patas dianteiras maiores, mas o gigante dos gigantes foi encontrado por um fazendeiro argentino que pensou ter encontrado o tronco de uma árvore petrificada ao desenterrar um osso do Argentinossauro, de 20m de altura e 100 toneladas.
Estamos acostumados a ver os grandes dinossauros como o Alossauro, o Tiranossauro ou os vorazes Raptores como monstros devoradores. Mas pense de forma diferente, pense no que já argumentamos sobre manter o equilíbrio dos ecossistemas. Pense nos benefícios de controle populacional e limpeza das carcaças que os predadores nos trazem. Para dominar pulgões que devoram jardins, as joaninhas são em proporção os grandes predadores, para dominar ratos temos gatos, para dominar capivaras temos onças, para dominar búfalos temos leões! O que você faria para dominar um réptil gigante com placas, espinhos e chifres? Você teria que criar um Tiranossauro!
Entre os dinossauros o grupo dos terópodes dispunha de uma grande quantidade de onívoros, insetívoros, ladrões de ovos, carniceiros e predadores. Animais velozes como os Strutiminus e Galiminus que parecem ter sido insetívoros ou onívoros, alguns que podem ter sido noturnos como o Trodonte, de grandes olhos e curiosos polegares opositores. Outros eram predadores rápidos como nossos guepardos ou leopardos, adaptados para ataques em grupo como os lobos que na união sobrepujam presas maiores. Isto parece ter sido o caso dos Raptores, um grupo de predadores com garras longas nas mãos e uma característica longa garra curva nos pés, a do Utah Raptor podia chegar a 25cm. Alguns destes tinham bicos para despedaçar, uma boa pista de que podem ter sido herbívoros no início, assim como hoje temos tartarugas predadoras e vegetarianas e outros, tinham dentes adaptados para prender peixes com sua mandíbola estreita tal como os crocodilos, sendo o caso dos Spinossauros e Barionix.
O topo da cadeia alimentar era dos Tiranossauros e os seus semelhantes, animais que parecem ter adquirido formas e proporções bizarras. Era basicamente um animal bípede com uma enorme cabeça habilitada por um maxilar capaz de despedaçar ossos e placas, usando seus 50 dentes curvos e afiados como facas. Seu corpo de 5m de altura e 12m de comprimento equilibrava-se com uma longa cauda e pernas fortes em contraste com bracinhos minúsculos de função completamente desconhecida em relação ao corpo. O Tiranossauro podia comer qualquer outro dinossauro, mas o que aconteceria se tivéssemos um dinossauro maior que a média? Tão grande que nem o Tirano pudesse abater?
Teríamos um Tiranossauro maior! Isto é o que estou tentando explicar; quanto maior o animal que tiver que ser controlado, maior e mais ameaçador nos parecerá o seu predador. Para controlar pulgões temos joaninhas que na lente de aumento nos pareceriam feras com bocas de alienígenas monstruosos, mas para controlar o Argentinossauro de 100 toneladas, o maior herbívoro conhecido, maior mesmo que a média dos outros Saurópodes existia o Gigantossauro, uma versão Sul Americana do Tiranossauro, só que com 7m de altura e 14m de comprimento.
De acordo com o modelo Bíblico Criacionista, Deus criou todas as coisas boas, sendo assim, como é possível haver animais com tamanhos dentes e garras vivendo num período ancestral onde eram dóceis herbívoros? Répteis com dentes pontudos que comem vegetais nunca foi novidade! Iguanas comem folhas em árvores ou pastam algas com seus dentes pontudos que poderiam ser de predadores e o que dizer dos Dragões de Komodo? Por muitos anos se conheceu o apetite predador e carniceiro desses animais, com dentes que parecem ter sido projetados para prender e rasgar, mas recentemente foi encontrado nas Filipinas um lagarto monitor gigante e vegetariano, batizado de Varanus Bitatawa este animal do grupo do Komodo deveria ser um carnívoro, mas parece contrariar as expectativas. Não poderia ter sido assim com muitos terópodes? A família dos Tiranossauros mostra animais da mesma forma e tipo, porém menores, mais alinhados e proporcionais que podem ter sido uma amostra de como eles eram antes o grande conflito entre o bem o mal afetasse a natureza.
Cada local da natureza é equilibrado por este princípio e ordem sucessiva, vegetal – vegetarianos – predadores – necrófagos, esta ecologia é a garantia da renovação da vida no atual sistema de sofrimento e conflito pós pecado. Então no lugar de leões e zebras, temos Apatossauros e tiranossauros, no lugar de águias temos Pterodontes e no lugar de golfinhos temos ictiossauros. Os vales do Mesosóico eram uma versão reptiliniana de vários habitats do nosso mundo.

Seria esta teoria algo muito difícil de se visualizar? Dada a separação dos fósseis e levando em conta que existem modelos semelhantes esta é uma idéia bem provável! Assim é com a Austrália, onde mamíferos marsupiais ocupam o lugar ecológico dos placentários que estão auxentes naquele lugar.
O que aconteceria se estes mundos tivessem que ser fundidos? O que aconteceria se dinossauros, homens, leões, pterodontes tivessem que ser misturados? Isso não daria certo! Seria tal como levar uma espécie exótica para a Austrália. O que acontece é que quando um animal estranho é misturado com outros que estão despreparados para conviver com ele, a tendência é que o estranho sobrepuje os nativos e se torne uma praga.
Foi mais ou menos o que aconteceu com o mundo dos dinossauros, por isso quando o Dilúvio destuiu a perversidade da humanidade daquela época, este mundo do passado, o dos dinossauros, teve que chegar ao seu fim por ocasião do Dilúvio, já que após esta catástrofe o mundo passaria por grandes mudanças. Tudo acabou e tudo mudou! Nichos ecológicos, biogeografias e habitats inteiros. No novo mundo, pós dilúvio as coisas mudariam muito. Clima, vegetação, relevo alterado, as espécies de animais tiveram que adequar-se sob novas condições, mas quanto aos dinossauros, o mundo já não era mais adequado para eles! Provavelmente algumas espécies de dinossauros nem se quer se sentiriam bem no nosso mundo!
Alguns sobreviventes do mundo dos dinossauros nos provam isto. O dragão de Komodo é o maior lagarto da atualidade, mas só prospera em ilhas da Ásia onde tem comida abundante e não enfrenta rivais como mamíferos predadores. O tuatara que parece um pequeno lagarto da Nova Zelândia, só prospera em pequenas ilhas com o clima certo e isolado de outros seres. Tartarugas gigantes prosperaram nas Galápagos onde não havia ameaça para elas e os crocodilos parecem ter sido os mais bem sucedidos sobreviventes dos antigos ‘Vales do Mesozóico’, embora eles não sejam tecnicamente dinossauros.

O Criacionismo ainda descobrirá outras verdades e corrigirá idéias erradas tanto dos modelos criacionistas ou evolucionistas. O Criacionismo está sujeito a aprender mais, já que confia na Revelação Profética que é progressiva em sua natureza tanto de entendimento quanto de natureza, e sujeito a constante revelação científica que esteja em harmonia com a Palavra Revelada. Mas as lições ficam:
Assim como foi no passado, assim será hoje. A Bíblia nos diz que o mundo do passado pereceu, ao estudarmos os fósseis percebemos que alguns desses animais seriam inadequados para viverem no mundo de hoje. A Bíblia também ensina que este atual mundo de pecado será destruído para que um novo mundo possa ser recriado (Ap. 20:11 a caps. 21 e 22), tal como era no início sem pecado, dor ou maldade. Será que você estará inadequado pra viver neste novo lar? Que tal descobrir? Leia agora, Salmos 24 e descubra.

Por Pr. Ericson Danese
Notas:
1. Fixistas são criacionistas que crêem que Deus criou os animais tais com são hoje, e estes nunca mudaram ao longo da história.

2. Os Criacionistas de hoje em geral acreditam que Deus criou as espécies prontas e plenas na semana da criação, mas os seres vivos tem o potencial de variar em diferentes formas, tal como um cão varia sua aparencia em diferentes raças, mas mantém o tipo básico sendo sempre um canídeos.

Obras Consultadas:

John R. Horner, Kevin Padian e Armand de Ricqlès. Como os Dinossauros ficaram tão grandes e tão pequenos. Scientific American Brasil – Edição Especial, No 36.

Malcolm McKenna. The MacMillan Illustrated Encyclopedia of Dinosaurs and Prehistoric Animals. Collier Books. MacMillan Publishing Company, NY.


• A Dorling Kindersley Book em associação com o Museu de História Natural de Londres, publicado em português pela Editora Globo, RJ, 1990, sob o título Fóssil, Aventura Visual.
• Elaine Grahm – Kennedy. Os Dinossauros. Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP, 2010.
• Nahor N. Souza Jr. Uma Breve História da Terra 2ª Edição, Sociedade Criacionista Brasileira.
• Perguntas Freqüentes ‘Dinossauros’. www.scb.org.br


13 comentários:

O Sousa da Ponte disse...

Umas aulas, mesmo muito básicas, de biologia iam ajudar a não escrever tanto disparate.

Há uma invenção fantástica que se chamam livros que ajudam a entender as coisas.

Textos destes são um favor a quem acha que religião e ignorância são a mesma coisa.

A menos que esteja a fazer propaganda encapotada anti-religiosa aconselho-o a não escrever tanto disparate.

Se é anti-religioso só me resta dar os parabéns.

Marcelo disse...

Gostei do post. Infelizmente terminei a leitura com um comentário infeliz, tendencioso e maldoso de alguém que assina como Sousa da Ponte. Infeliz até no nome. Com os anos, aprendi a reconhecer a pessoa inculta, aquela que apregoa o valor da leitura, mas não é um leitor assíduo, aquela que é apenas crítica dos outros, não agrega nada com seu discurso vão e tolo, e tende a discutir sobre questões das quais pouco ou nada sabe. São pessoas rasas, de superfície; não suportam aprofundar. Não querendo ser xulo, mas pela necessidade de escrever de modo a me fazer entender pelo tipo em questão, trata-se de um idiota, ignorante e infeliz, com toda a força da palavra. Ai, ai, a burrice me enoja!

Ericson Danese disse...

Caro leitor Sousa da Ponte;
Obrigado por visitar nosso blog.
Já li 'Origem das Espécies' de Darwin, 'Relojoeiro Cego' e outros 'disparates' de Dawkins, 'Cosmos' de Sagan e outras apologias ao materialismo e evolucionismo, se tiver outras indicações fique a vontade. Você já leu aquilo que defende, ou só ouviu falar?
Se tiveres preguiça de ler todos estes autores, continue lendo meu blog e outros blogs, pois são postagem curtas e nada exaustivas com respeito aos temas abordados.
Pelo que notei em sua crítica, percebi que não és contra a religião, então como me sugeriste o faço contigo. Recomendo-te livros .... comece com Gênesis e termine com Apocalipse. Acredite em mim, eu já li estes também e depois que leres, poderemos conversar mais, pois limparão as mentiras enraizadas desde a juventude na tua cabeça.
"A verdade vos libertará"
É bom conselho ler mais, eu o seguirei, quanto a ti 'médico cura-te a ti mesmo'
Um abraço
Pr. Ericson Danese

O Sousa da Ponte disse...

Caríssimos:

A ciência não afirma que os deuses, demónios, extra-terrestres, fada dos dentes, sacis ou outras entidades não existem.

Não existem é evidências da sua existência e assim , até elas surgirem, são hipóteses. Não passaram a teorias.

As descobertas cientificas podem ter implicações filosóficas e éticas. No entanto as teorias em si(relatividade,evolução, mecânica quântica,etc e etc) são amorais.

Por muito que nos repugne a segunda lei da termodinâmica ou a relatividade são a melhor explicação que temos.

A ciência dos séculos XIX e XX (T.E., relatividade, genética, astro-física, mecânica quântica)
tiveram um forte impacto na forma como vemos o mundo.

No entanto os teólogos muito rapidamente resolveram o problema de conciliar a narrativa do Génesis com a sua fé.

Uma minoria tenta negar as evidências e tentar demonstrar que a narrativa do Génesis é um relato de factos.

Temos assim por um lado um corpo de muitas e diversas ciências que por meios diferentes apontam para uma terra e um universo muito mais antigo que os tais 6000 anos, nenhuma evidência histórica do dilúvio, uma velocidade da luz incompatível com a terra jovem, artefactos muito mais velhos que os seis mil anos, etc e etc.

Por outro um grupo que diz:

A história, a biologia, a astro-física,a química, a paleontologia, a sociologia, a antropologia, a geologia em todas as universidades e institutos, de todos os países fazem parte duma conjura mundial para desacreditar os CTJ e os milhões de cientista em todo o mundo nada mais fazem que manipular e esconder dados para não se saber a verdade.

Parece-me que a segunda hipótese é a menos provável.

E se alguém conseguir apresentar um trabalho cientifico que possa conciliar a cronologia bíblica do Génesis com o que se sabe força.

Ou as faculdades de história também fazem parte da grande conjura para esconder a verdade ?

Enquanto não o fizerem e publicarem ...

Ericson Danese disse...

Caro leitor e internauta Sousa da Ponte;
Não pretendo fazer deste local um fórum de debate, pois não é este o propósito de meu blog, todavia, dadas algumas concepções erradas que você tem a nosso respeito, se faz necessário uma resposta, no sentido de esclarecimento e diálogo.
Respeito um homem que admira a ciência e busca a verdade. Compreendo um homem que foi educado num sistema e cosmo visão diferente da minha. Mas é preciso que o respeito exista de ambos os lados. Então vamos esclarecer alguns pontos:
1. Não confunda Deus com fadas, duendes e etc. Não confunda religião e misticismo, não confunda fé e superstição. Isto seria um erro e uma ofensa tal como confundir química e alquimia ou confundir astronomia e astrologia.
2. Os criadores da ciência clássica do século XIX, os ‘pais da ciência’ eram homens de fé como Steno, Lineus, Robert Boile, Richard Owen, Mendel, Paster, Galileu (que discordou da igreja católica e não da Bíblia) e muitos outros. Alguns deles eram até amantes da teologia como Newton. As primeiras universidades, que hoje são referencia foram fundadas sob a cultura judaico protestante. As descobertas nunca causaram problemas a estes homens e nem a muitos outros que praticam ciência hoje e são fiéis a Bíblia.
3. Seu maior erro caro Sousa, é não entender o que pensamos sobre a idade do universo! Então, esclareço : Aceitamos que o Universo pode até ter bilhões de anos como propõe a ciência, até mesmo a Terra e o sistema solar pode ter uma vasta idade como pretendem e em nada contrariam o relato bíblico. Mas o que cremos é que a história da vida na terra se resume a um período em torno de 6 ou 7 mil anos. A idade do universo ou da existência do planeta é uma coisa que a Bíblia não informa, o relato inicia dizendo que já existia um planeta, antes que iniciasse a semana da criação. A maioria dos criacionistas (neste caso me incluo nesta maioria) crê que o relato de Gn. 1 fala sobre o ‘No princípio’, quando Deus criou o universo num tempo desconhecido, o qual vcs chamam de big bang e muito depois, iniciou a semana da criação na Terra em 7 dias a uns 6 ou 7 mil anos atrás. Quanto a datação de rochas e fósseis, veja www.scb.org.br, perguntas freqüentes sobre datação.

Ericson Danese disse...

4. Levamos o relato Bíblico a sério, ou seja, Gn. como literal, pois foi assim que Jesus o interpretou, ver Mt. 24. Então é melhor ser coerente com a fé em Jesus. Como Cristãos, cremos que nossa regra de fé e vida é a Bíblia, a palavra de Deus, a ciência está sujeita a Bíblia e nunca o contrário, pois os mundos natural e moral necessitam das explicações da revelação Bíblica para responder algumas questões filosóficas fundamentais. Os homens da ciência como Newton nunca tiveram dificuldades com isso, e muitos outros estão encontrando este caminho hoje por entre o preconceito da comunidade materialista dominante. O tempo tem provado que a Bíblia e a ciência nunca se contradizem, mas o que ocorre é a ciência ler os fatos por pressupostos errados (naturalismo filosófico que nega qualquer coisa de caráter sobrenatural) ou pretensos teólogos sem conhecimento bíblico adequado, interpretarem textos de forma equivocada ou desconhecerem a leitura cientifica de muitos dos fenômenos de nosso mundo. A ciência funciona por leis naturais que são obra do mesmo Criador que inspirou os profetas a escreverem a Bíblia.
5. Quanto à idéia de ‘teoria da conspiração’ de que há um complô mundial para enganar o povo através dos fatos científicos. Bem isto é ridículo, não é isso que nós criacionistas pensamos a respeito dos evolucionistas e cientistas que descrêem do Gênesis. Eles descrêem de Gênesis assim como um budista descrê de Jesus, ou eu não creio em Alan Kardeck. É uma questão de fé e valores de cada um.
6. Todavia que existe muito preconceito, sim isto existe, contra todos nós. É fato que muitos dos pais do materialismo tinham ódio e desejavam acabar com a religião, sim isto ocorreu. Ainda ocorre com pessoas como Dawkins e os seus.
Mas o que dizer de tantos cientistas no mundo inteiro que hoje crêem na evolução e não tem nada haver com os debates do século XIX?
Na minha opinião são gente muito boa e uma coisa é muito óbvia, a cosmo visão ensinada e aprendida é a ‘lente’ pela qual as pessoas enxergam o mundo. A verdade não é relativa, mas a compreensão da verdade é, seja ela correta ou não. Parecia ridículo aos céticos da época admitirem a deriva continental proposta por um criacionista que era na verdade meteriologista e acreditava no Dilúvio, mas as coisas mudaram e hoje ninguém questiona a deriva continental.Em segundo lugar há muito orgulho intelectual, veja o resultado disso lendo você mesmo os dois primeiros cap. Do livro de Romanos.

Ericson Danese disse...

Então por que não provamos a existência de Deus? Por que não provamos a veracidade do relato bíblico? Por que Deus não nos dá uma prova científica?

O trabalho da fé não é provar nada, o trabalho da fé é inspirar uma atitude melhor do homem para com seu Criador e para com seu semelhante. O trabalho da fé é fortalecer as pessoas a enfrentarem as perplexidades deste mundo.
Se alguém pudesse provar algum tipo de religião, o resultado seria negativo, muitos tornariam este mundo num tipo de opressão que limitaria o direito de liberdade religiosa dos outros. Chegaríamos a um ponto que as pessoas seriam obrigadas a serem todas de um jeito só, isto seria a imagem e semelhança das trevas do catolicismo medieval, que obedecia homens e não a liberdade e fé propostas pela bíblia. Neste caso, não seria difícil alguém mal intencionado se aproveitar disso.
É melhor manter as coisas como são hoje, a fé é um direito e liberdade de cada um!
Eu tenho o direito de crer no relato literal de Genesis e você tem o direito de crer que é apenas uma alegoria.
Deixe que o próprio Deus nos revele isto no dia do juízo, agora cabe a nós pesar qual será as conseqüências de nossa escolha.

Um abraço,
Pr. Ericson

goga disse...

<< ufa li com muita atenção todas as citações dest post, cheguei a seguinte conclusão... pr. Ercson Deus te abençoe, e ilumine muito sua mente para continuar defendendo, esclarecendo e estudando assuntos como este para orientar e desvendar os olhos de muitos que como este...que esta totalmento enganado e não sabendo nada sobre o assunto proposto e muito menos alguma coisa referente a religião. depois de ler tudo pude ver quem realmente é o igorânte.

TatiAdamov disse...

pr. danese, com todo o respeito, gostei mais da sua resposta ao 'da ponte' que o seu texto em si... Rs... Seu texto eh bom, mas a resposta foi oootima!

llq disse...

I get much in your theme really wedding jackets for the bride thank your very much i will come every day

Ruth Alencar disse...

Gostei muito do seu texto pr. Ericson Danese, tanto que tornei-me seguidora. Estou divulgando na página do face do nosso Blog nossas Letras.

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=433294693394043&set=a.408175959239250.92769.227716473951867&type=1&theater

Tenho apenas uma sugestão. Será que dava para o sr. colocar os textos sob a forma de parágrafos, facilitaria mais a leitura.

E tenho tb uma outra pergunta. Além de teólogo o sr. tem outra formação acadêmica? Gostei muito da sua abordagem.

Marcos Paulo Leitzke disse...

Muito bom o texto e as respostas ao "O Sousa da Ponte"! Vou continuar lendo as postagens do blogue! Gosto de textos com embasamento científico!

Um grande abraço!
Marcos Paulo Leitzke

Gabriella Gilmore disse...

Querido autor, confesso que esse assunto sobre Dinossauros ainda é um mistério para mim, e virou até debate num clube de estudo teológico que participo, aonde nós perguntamos: Existe na Bíblia alguma passagem que os cita? E confesso ao senhor, que Deus é tão maravilhoso, que através da leitura da Palavra e fazendo uso da oração, eu consegui largar a venda da ignorância, porque eu era descrente, mas hoje vejo que Gênesis ao Apocalipse é um grande projeto de lei e prática para que a sociedade entenda e viva esse tão grande amor, que é o amor de Deus por nós. E alguns mistérios só serão desvendados na Glória. Eu tomo posse!! Abraços e Deus te abençõe.