terça-feira, 24 de junho de 2014

O Cavaleiro das Trevas e o Príncipe da Luz


Sempre gostei de desenhar. Quando eu era criança gostava de desenhar heróis, entre eles Batman. Alguém me disse que estes personagens eram do mal, mas eu, raciocinei naquela época que isso era impossível pois eles defendiam ideais como justiça e prendiam bandidos. Quem não se identificaria com o menino sem poderes sobrenaturais que luta espartanamente para vingar morte dos pais?

Foi este símbolo que o brasileiro Eron Melo escolheu para protestar no Rio de Janeiro contra a corrupção e problemas sociais durante a Copa do Mundo, tornando-se conhecido internacionalmente [1]. Eron que já foi preso
por protestar de máscara, recentemente se manifestou contra a Copa do Mundo. Não torço contra a seleção brasileira e sim contra a politicagem em nosso país. Se o Brasil ganhar quem vai vencer é a corrupção e a impunidade”, afirma Melo.[2]
Eron buscou a máscara de um herói para dar símbolo a sua causa por igualdade social, mas de onde vem este símbolo? Será que ele realmente conhece o simbolismo envolto em Batman? O que é transmitido por este personagem? Como esta ficção pode nos influenciar?
Vamos iniciar analisando os personagens;
Todos os vilões de Batman partilham uma característica comum com Bruce Wayne o homem por trás da máscara, todos eles tem uma personalidade fruto de experiências traumáticas. Assim como Bruce, em algum momento de suas vidas, o Pinguim, o Charada, o Espantalho, o Dr. Frio, o Duas-Caras e até o Coringa tornaram-se lunáticos vítimas de seus traumas, só que eles acabam no Asilo Arkham de Gothan City. De certa forma, todos eles são aquilo que Bruce Weyne teria se tornado se o seu trauma de infância fosse canalizado para uma via destrutiva. Bruce escolheu combater o crime, eles escolheram o crime.
Mas por que Bruce não entrou na polícia? Porque 1. Ele não confia em toda a polícia, 2. Ele crê que o sistema é fraco demais e 3. Ele fará as coisas do jeito dele e o sistema não permitiria.
O tema central de Batman é o efeito das experiências de vida sobre a mente humana. Seríamos responsáveis por nossos atos se somos vítimas de experiências que devastam nossas vidas? Se arrancarem o que mais amo, tenho liberdade de surtar?
Cavaleiro das Trevas levou o Globo de Ouro e o Oscar de ator coadjuvante para Heath Ledger pela interpretação do Coringa. Sinistro e assustador, o Coringa virou fenômeno pop. O mal se tornou glorioso! Há comunidades em redes sociais com frases do Coringa e seus vídeos são os trechos de Batman estão por todo o  youtube. Por que gostamos tanto da caricatura de um psicopata e alguns chegam a usa-lo no perfil do facebook?
Dos anos 40 até então o personagem do Coringa passou de um palhaço ladrão para um psicopata assassino. Parece que a mente humana reage a ficção como se esta fosse uma droga! É preciso sempre uma cena mais forte, uma imagem mais chocante para surtir o efeito emocional sobre o público!
Dizem que Heath Ledger se preparou para interpretar o personagem vivendo sozinho num quarto de hotel por um mês, escrevendo um diário do personagem e construindo aquilo que seria uma lista das maldades hediondas do Coringa. No roteiro do filme, Coringa tenta enlouquecer as pessoas através de traumas psicológicos.
O que aconteceu durante as filmagens com Ledger? Como essa gama de emoções e interpretações o afetaram? Como ficou a mente desse rapaz de 28 anos, rico, famoso e bem sucedido profissionalmente?
Nunca saberemos pois ele morreu misteriosamente poucos dias depois do término das filmagens de overdose de calmantes para dormir!
Ledger virou lenda, sua legião de fãs considera que este foi o papel de sua vida, a maior interpretação do Coringa. Mas qual é a contribuição de um retrato tão bem desenhado do mal?
Quando o 3o filme da franquia foi lançado, a pré-estreia Batman O Cavaleiro das Trevas Ressurge encontrou a tragédia na vida real. James Holmes um universitário do curso de medicina invadiu um cinema em Aurora EUA, disparou contra os espectadores de Batman, matando 12 pessoas, ferindo muitas outras. Uma vez preso, ele alegou ser o Coringa![3]
Será que cenas de um filme tem o poder de influenciar a mente de uma pessoa com alguma fraqueza ou doença?
Este debate não é novo e envolve músicas, filmes e games. O massacre de Columbine EUA em 1999 que matou 13 alunos de uma escola, também já foi associado a filmes como Matrix e Diário de um Adolescente na época em que ocorreu.
Recentemente no Brasil, vídeo games violentos e o crime de Marcelo Pesseghini (13 anos) que matou sua família a tiros e cometeu suicídio, foram alvo de polêmicas e discussões, onde alguns especialistas apontaram que ele assumiu a personalidade e comportamento de personagens de um jogo de assassinos onde o personagem faz uma regressão as memórias de seus ancestrais assassinos[4], (regressão é espiritismo!).
O estudo Culture and Media Institute apontou que pelo menos três crimes podem ter sido influenciados pelo seriado Dexter, já no Tennessee em 2013 adolescentes atiraram em duas pessoas, recriando um jogo e alegando que fizeram isso porque estavam entediados. No Alabama em 2003 um garoto roubou um carro, detido e levado a delegacia roubou uma arma com a qual, atirou em dois policiais, fugindo com uma viatura[5]. Capturado respondeu que fez isso porque a vida é como um jogo de vídeo game!
Os EUA enfrentam uma verdadeira moda de massacres em escolas. Estima-se que em 18 meses, mais de 40 pessoas foram mortas em escolas com armas de fogo, ao que presidente Obama desabafou; somos o único país desenvolvido da Terra onde aconteciam estas coisas[6]
Não é curioso que os super-heróis são um produto da cultura norte americana na qual durante a infância de sua nação haviam cowboys que faziam a lei na pistola e no rifle? Será que estas ideias de heroísmo não nos influenciam?
Em São Paulo o empresário Gleyson Dias de 39 anos se fantasia de Batman e faz rapel de prédios para fazer protestos, mas recentemente usando sua fantasia se habilitou a prender e amarrar um ladrão de celular que deteve até a polícia chegar[7]. Segundo a reportagem, qualquer pessoa pode prender um criminoso em flagrante, desde que consiga faze-lo. Logicamente é bom que prisioneiros sejam presos, mas isso é uma prova que as influencias ocorrem, será que estas influências são sempre boas como aparentemente foi este caso? Qual é o limite?
Como Cristãos, acreditamos que aquilo que contemplamos nos transforma. A ideia das pessoas pode ser influenciada pelo conteúdo que absorvem. Então o que acontece com os milhões que veem um filme violento e não se tornam violentos e assassinos? São mais fortes do que o assassino do cinema de Aurora? Talvez, mas o  que dizer do conteúdo espiritual do mundo de Batman? Que influências espirituais podem ser observadas?
Vamos avaliar alguns personagens:
Mulher Gato não tem superpoderes, é uma ladra de fantasia de couro agindo de forma sensual e felina. Como uma mulher poderia pular pelos telhados usando saltos e unhas postiças? Evidentemente a roupa dela é um apelo sexual para captar a atenção do público, infantil e adulto! O estímulo sexual começa cedo para os fãs dos super-heróis.
Em Batman: O Retorno, de Tim Burton a Mulher-Gato estrelada por Michele Pfiffer é assassinada por seu chefe depois que ela descobre suas ilegalidades, sendo ressuscitada por gatos de rua e se tornando uma vilã que vive um caso com Batman. Só para lembrar, Batman nunca faz questão de capturar ela!
Mulher-Gato de 2004 interpretado Halle Berry, mostra no início do filme que houveram muitas Mulheres-Gato ao longo da história, chamadas de bruxas, feiticeiras e sua origem reportam ao culto da deusa gato egípcia Baset. A Mulher-Gato é uma mulher possuída pelo espírito de Baset como argumenta o crítico de cinema e pregador Scott Mayer[8]. A Bíblia fala sobre não ter outros deuses!
Hera Venenosa é outra personagem sensual entre as vilãs, associada a planta que dá seu nome, poucos percebem que seu nome também é homenagem a deusa grega que odiava Hércules, o messias grego e filho de Zeus. Hera é comumente retratada em cenários de jardins sinistros, entre uma árvore, seduzindo Batman ou Robin e jogando um contra o outro. Lembra muito Eva ou a própria serpente no Éden.
Pinguim no filme de Batman: O Retorno é mostrado como nascendo na noite de Natal, abandonado nas águas como Moisés e tentando matar todos os primogênitos de Gothan City[9]. Que inversão de valores!
Charada nas revistas já tentou negociar a alma de Batman com o Diabo[10], Duas-Caras é uma figura que representa o bem se transformando em mal, o promotor Raver Dent que se transforma num bandido com metade da face deformada como um cadáver. Seu criador, o roteirista Bob Kane se inspirou para o seu visual e personalidade na deusa nórdica Hela[11], metade mulher, metade caveira. Novamente a idolatria pagã! Hela era a filha de Loki o deus da trapaça e foi banida por Odin para o subterrâneo, dando origem a Hell, palavra em inglês para inferno.
Temas satânicos estão constantemente nos roteiros de Batman. Um de seus maiores inimigos é Ra’s Al Ghul que no cinema foi vivido por Lian Nelson em Batman Begin de Christian Nolan[12]. Ra’s Al Ghul significa ‘Cabeça de Demônio’ e ele é o chefe, ou cabeça de um grupo de assassinos que se dedica a matar cidades inteiras para buscar um controle populacional e dominar o mundo de acordo com seu ideal. Ra’s é mostrado no filme como um dos professores de Bruce Weyne em sua jornada para se tornar o Batman, mas Bruce se vira contra ele. Sua origem nos quadrinhos é um homem que nasceu no século XV e se banha frequentemente  numa fonte mística de imortalidade que rejuvenesce ou ressuscita pessoas, curiosamente chamada ‘fonte de Lásaro’.
Percebem o trocadilho? O homem que controla o poder de ressuscitar ‘Lásaro’ é Jesus, que também foi o mestre do anjo que se rebelou e se tornou o Cavaleiro das Trevas! Nesta analogia, quem é o Batman?
Os quadrinhos de 1987 apresentaram o caso de Bruce com a filha de um inimigo, Ras al Ghul, eles tem um filho que em revistas posteriores se tornaria o Batman do futuro. O título desta revista? Batman, O Filho do Demônio.[13]
Décadas depois o escritor Grant Morrison, autor que admite que os heróis são inspirados em deuses da mitologia, retratou Damian na revista Batman número 666 onde o próprio Satanás é um dos personagens. O anúncio da revista era:
“O Filho do Morcego encontra o Príncipe das Trevas e o cenário está montado para a última batalha entre o mal e a ambiguidade moral. Conseguirá Damian fazer as pazes com sua herança para salvar o mundo? Descubra em Batman #666, 'Números da Besta'."[14]
Estive lendo uma resenha desta revista[15] que traz na capa o Batman entre chamas infernais e diz “O Morcego e o Apocalipse”. No conteúdo é apresentando um tempo futuro, repleto de pragas caindo, terrorismo e o novo Batman que fez um pacto com o Diabo pela posse da cidade, tem que impedir o Armagedon. Batman fazendo pacto com o Diabo? Ninguém me contou isso quando eu era goroto!
Há missas satânicas, blasfêmia e até sacrifícios humanos com crucifixões de cabeça para baixo por toda revista. Isso é conteúdo para crianças? Para cristãos? Puxa, será que precisamos comentar? Afinal, quem é o Batman neste simbolismo?
Conforme o documentário do History Channel, ‘Batman Desmascarado’, o personagem Bruce escolhe o morcego como seu símbolo, não só para vencer seus medos, mas para compartilhar o medo com seus inimigos. Compartilhar medo? Opa?! Na Bíblia, essa é uma característica de Satanás e não de Jesus!
Conforme o mesmo documentário, a ideia do morcego, os chifres, asas pontudas, estão sempre associadas ao Diabo, ao demônio em suas caricaturas medievais e o Batman se apropriou dessa temática. Só para lembrar aos fãs de Batman, É O DOCUMENTÁRIO QUEM DIZ ISSO! Os analistas do documentário concordam que o morcego é um símbolo da noite, de algo que não podemos ver, que tememos, de algo que voa sobre a cidade.
Então, temos um símbolo de algo que vem do céu, mas representa a escuridão e compartilha o medo? Interessante, pois na Bíblia, um anjo veio rebelado do Céu e quando compartilhou sua experiência com os homens, (Adão e Eva), eles começaram a ter medo de Deus e se esconderam!
O próprio documentário apresenta trechos seletos dos filmes mais atuais do Batman, onde duas cenas, de maneira subliminar, indicam ainda mais sua identidade:
No primeiro, Batman captura um bandido e ele espantado pergunta: “Que diabos é você?” e o herói responde: “Sou o Batman”. Quem é o Batman? Conforme o trocadilho, um símbolo do próprio Diabo!
Na segunda cena, um bandido é capturado para ser interrogado sob tortura, içado e jogado de grande altura pelo herói. Batman lhe faz uma pergunta sobre o destino de certas drogas, ao que o bandido responde: “Não sei. Juro por Deus” e Batman fica tão furioso com a resposta, que responde esbravejando “Jure por mim” e em seguida deixa o traficante cair. Por que Batman ficou com tanta raiva da palavra ‘Deus’?
E se pessoas começarem a usar a máscara de Batman e patrulharem as ruas? Até onde irão? Até onde Batman ainda será um bom exemplo a ser seguido?
Batman já demonstrou que é adepto de métodos de tortura física e psicológica para extrair informações, mas seria ele capaz de matar? O mito do Batman que começou com a figura de um detive mascarado, evoluiu para um herói amigo das crianças e finalmente foi vertido para personalidade de cavaleiro das trevas pelo autor Frank Miler, o mesmo de ‘300’ que virou o violento filme retratando os guerreiros de esparta. Frank fez de Batman um guerreiro sombrio que  vem revelando que está pronto para ir mais longe.
A mais famosa revista do Batman foi ‘A Piada Mortal’ (The Killing Joke), de Alan Moore (autor ocultista e adepto da Nova Era) e Brian Bolland publicada em 1988. Comentando sobre declarações do autor Brian Bolland, o famoso desenhista de quadrinhos Grant Morrison que já escreveu muitos roteiros de super-heróis inclusive de Batman, afirmou sobre a revista de 1988:
"O que eu amo na HQ é que ninguém percebe, 20 anos depois, que Batman matou o Coringa. É por isso que se chama The Killing Joke! Quando o Batman chega no pescoço do Coringa e o quebra, a risada para, simplesmente para. É realmente óbvio, se você prestar atenção. Esta é a última piada, este é o fim inevitável, esta é a piada mortal - está no título! É a história definitiva, qualquer coisa que veio depois é um eco dessa HQ. Brian Bolland mesmo diz: 'Ele vai direto no pescoço e quebra!'"[16]
As pessoas vão assistir Batman para se divertir e eu não tenho um problema com o fato de quererem se divertir. As crianças acham legal um cara de máscara e capa lutando contra os bandidos, eu também não tenho problemas com isso, pois eu já fui assim. Pessoas honestas ganham a vida com isso e está tudo bem, mas isso não é tudo! O mundo está mudando muito rápido e creio que nunca seremos melhores do que os nossos heróis. Com o crescente aumento de violência em Batman, o que virá por aí?
Por que ele é o cavaleiro das trevas? Ironicamente Batman revela o fracasso do humanismo. A a educação não pode salvar Gothan City do crime, há maldade tanto entre pobres ou entre ricos, alguns vilões são cientistas e empresários.  Riqueza não gerou virtude. O dinheiro não foi o bastante. A sociedade Americana é mostrada como escura e fracassada. Faltou algo!
O que Batman combate é a própria loucura da natureza humana caricaturada nos vilões de seu universo. Coringa o caos, Espantalho o medo, Pinguim a ganância, Charada o egocentrismo, Duas-Caras a rebelião e Mulher-Gato a sexo fútil. E nisso, Batman é o maior símbolo por trás do morcego, humanismo puro, apenas um homem, sem poderes especiais tentando resolver tudo sozinho. Ele é aquilo que ele combate, assim como o Batman dos protestos no RJ, que combate políticos que emergem como uma imagem do seu próprio povo.
Ele é atrativo, porque nossa sede de justiça nos faz imaginar como nos sentiríamos se pudéssemos ter o poder de resolver por nós mesmos. Mas falta ‘luz’ em Batman. O Cavaleiro das Trevas encarcera insanos no Asilo Arkham enquanto o Príncipe da Luz liberta os criminosos de si mesmos, transformando a insanidade em ordem, iluminando o que há de pior nas pessoas e gerando nelas o desejo de mudarem.
Você nunca verá um criminoso recuperado por Batman, mas na cruz, um ladrão implorou perdão ao Príncipe da Luz. A Luz veio aos homens dois mil anos atrás, curando feridas, derramando perdão em lugar de vingança e espalhando a esperança para aqueles que foram brutalmente separados dos seus queridos.
Falta Luz em Batman! As pessoas estão amando mais as trevas do que luz. Pesquisando para este artigo, cheguei a ver um comentário na internet de um fã que dizia que o filme Cavaleiro das Trevas deveria se chamar ‘The Joker’ O Coringa, pois o vilão é mais legal, mais importante no filme e mais bem interpretado do que Batman. Até o herói tem que ser das trevas para ser legal! Estamos sendo ensinados a amar as trevas!
“E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.” João 3:19
Batman é o que deveríamos nos tornar se não houvesse esperança, perdão e justiça de Deus. Bruce Weyne veste uma máscara para infundir terror nos bandidos. Jesus o Príncipe da Luz, sendo Deus, vestiu um rosto para apresentar amor, S. João 1:14.
Batman usa a máscara para causar medo nos seus inimigos. Jesus ensinou que o amor vence o medo, 1 João 4:18.
Cristo não coloca máscaras, mas Deus em Cristo usa uma máscara de carne humana para se dar a conhecer, um rosto para nos iluminar com esperança e fé.



[1] http://www.ibtimes.co.uk/fifa-world-cup-2014-brazilian-batman-crusades-justice-rio-protests-1452546
[2] http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2014-06-12/dois-manifestantes-sao-presos-durante-ato-contra-a-copa-em-copacabana.html
[3] http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/vestido-de-coringa-atirador-dizia-ser-personagem-de-batman
[4]http://www.diarioweb.com.br/novoportal/divirtase/Comportamento/151614,,Especialista+diz+que+game+violento+nao+influencia.aspx
[5] Ibid.
[7] http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/06/1473275-vestido-de-batman-empresario-de-sp-persegue-e-prende-ladrao-de-celular.shtml
[8] http://terceiroanjo.com/batalha-em-hollywood-5/
[9] Scott Mayer, ibid.
[10] http://entrepaginascomics.blogspot.com.br/2013_03_01_archive.html
[11] http://pt.wikipedia.org/wiki/Duas-Caras
[12] http://pt.wikipedia.org/wiki/Ra%27s_Al_Ghul
[13] http://blogmaniadegibi.com/2013/03/o-filho-do-demonio-graphic-novel-de-1987/
[14] http://omelete.uol.com.br/quadrinhos/grant-morrison-prepara-edicao-apocaliptica-de-batman/#.U6cEPV7v1Uc
[15] http://www.multiversodc.com/v2/2009/09/estrada-para-rip-–-batman-de-morrison-parte-4-o-numero-da-besta/
[16] http://omelete.uol.com.br/batman/quadrinhos/piada-mortal-e-obvio-que-batman-mata-o-coringa-diz-grant-morrison/#.U53jjF7v1Uc

Um comentário:

Carlos Tavares disse...

Muito bom Pr. Ericson! Gostei das analogias! Isto é realidade!