quinta-feira, 3 de julho de 2014

Teias, ocultismo e outros heróis


A candeia do corpo é o olho. Sendo, pois, o teu olho simples, também todo o teu
corpo será luminoso; mas, se for mau, também o teu corpo será tenebroso. Vê, pois, que a luz que em ti há não sejam trevas.” Lucas 11:34-35

Entre o final dos anos 50 e início dos anos 70 a América teve um grande debate moral sobre o efeito dos quadrinhos. Naquela época, psiquiatras acusavam os quadrinhos de perverterem a juventude. O debate gerou um programa de censura que durou por alguns anos e reprimiu cenas de apelo sensual, sexual e violência excessiva. Este movimento levou a indústria dos quadrinhos quase a falência.
Stan Lee, o criador da maioria dos personagens da Marvel Comics em seu documentário, no tempo 20:15 minutos[1], é entrevistado por um repórter em 1975: “O senhor acredita que existe algum perigo em mostrar aos jovens imagens de quadrinhos com personagens como Capitão América, o Hulk e assim por diante?” Stan responde: “Não, não, não é mais perigoso do que ler contos de fadas ou a Bíblia”.
Não vou abrir a discussão se os quadrinhos influenciam ou não o comportamento sexual ou agressivo dos jovens, este não é meu tema neste artigo, mas o que Stan quis dizer? Que a Bíblia e contos de fada são a mesma coisa?
Este é o tipo de coisa que realmente deixam um cristão com a ‘pulga atrás da orelha’ com os quadrinhos e filmes de heróis! Stan é um judeu, por isso é difícil pensar que mesmo um não praticante do judaísmo teria uma visão tão minimalista das escrituras de seu povo. Por outro lado sua declaração coloca a Bíblia, um documento histórico para cristãos e judeus praticantes, ao nível dos gibis, ou seja, seu conteúdo é apenas fábula para crianças inventada pra vender! É isso que queremos que nossos jovens pensem da palavra de Deus?
A Marvel reconhece (tempo 52:20m do vídeo) que realmente influencia de crianças a universitários. Eles reconhecem que influenciaram para o bem a cultura pop americana abordando temas como racismo, através de seus personagens como Pantera Negra, Falcão e X-Men, e podemos concordar que isso é nobre! Mas será que os quadrinhos e heróis foram só uma boa influência?
Numa reação à censura dos quadrinhos, em 1961 Stan Lee criou o Quarteto Fantástico. O quarteto era a estória de astronautas que adquiriram poderes especiais e não usavam máscaras ou uma identidade secreta. Em dias de corrida espacial e numa América acostumada a visualizar a família, o quarteto foi um estouro de vendas. Pela primeira vez os dramas emocionais e familiares foram retratados de uma forma mais adulta e isso desencadeou uma nova onda de personagens e um novo estilo.
Houve uma identificação imediata do público e os anos 60 deram origem a boa parte dos mais famosos personagens do universo Marvel sob o conceito de fazer heróis com ‘falhas’ de personalidade e caráter. Menos idealismo e mais realismo foi a fórmula que deu a atual popularidade dos super-heróis. E qual seria o caráter espiritual destes personagens?
 
Segundo seu relato autobiográfico para o History Channel[2], Stan Lee criou o Hulk inspirado nas histórias de Frankstein, um mostro morto vivo (o que é espiritismo misturado com pseudociência) e também baseado na famosa estória da múltipla personalidade de ‘O Médico e o Monstro’.

Bruce Banner é um pacato cientista dominado por uma personalidade chamada Hulk no qual ele se transforma. Mas embora transforme e use o corpo de Banner, o Hulk trata Banner como outra pessoa. Hulk é uma pessoa diferente de Banner e alguns analistas dos quadrinhos chegam a chamar as manifestações do Hulk em Banner de ‘encarnações’ alegando que existem múltiplas personalidades do Hulk como um Hulk Cinza, um Hulk Selvagem e etc.

A encarnação final, que deve ser discutida aqui é o Hulk Diabo. O Hulk Diabo é muito o que parece. Ele é uma criatura de puro mal, representando todos os pensamentos e os desejos mais sombrios de Banner . A encarnação final, que deve ser discutida aqui é o Hulk Diabo. O Hulk Diabo é muito o que parece. Ele é uma criatura de puro mal, representando todos os pensamentos e os desejos mais sombrios de Banner.”[3]
Bruce Banner é um homem possuído por um ser destrutivo e monstruoso! Como ele controla isso? Em alguns filmes é com meditação oriental. Hulk é na verdade a ficção sobre um homem possuído, até porque sabemos que radiação é mortal e não transforma alguém num super-humano.

O Homem de Ferro é a pretensa fé de que a ciência humana pode resolver qualquer problema. Até mesmo enfrentar deuses como Thor e Loki! Tony Stark é fútil, alcoólatra e promíscuo. É a imagem de que o dinheiro compensa tudo e um bad-boy pode até se orgulhar do que é. Atualmente é um líder e um dos principais nos Vingadores.
E como personagens humanistas e científicos como o Homem de Ferro podem coexistir com um deus mitológico como Thor? No mundo Márvel, magia é só um tipo de tecnologia desconhecida e Thor é ao mesmo tempo um deus nos quadrinhos e na versão do cinema um alienígena com grande longevidade aos moldes de Erick Von Diken e os ‘Antigos Astronautas’ que visitaram a Terra primitiva conforme sua teoria. Mais pseudociência!
Viúva Negra mostra que a mulher moderna é independente, profissional e segura, é claro, mentirosa e sedutora. Será que existe alguma heroína velha ou de meia idade? Alguma gorda? Alguma heroína feia? Elas sempre são jovens, aliás eternamente jovens, voluptuosas e sensuais com roupas degotadas ou colantes. Por que será?
Talvez o maior dos personagens criados por Lee e a Marvel tenha sido o Homem-Aranha. Baseado em sua própria juventude e seu namoro com sua esposa, Stan Lee criou Peter Parker, um fotografo com problemas financeiros, introvertido, desajeitado e apaixonado por uma modelo. Esse pós adolescente NERD passa por um acidente se tornava o Homem-Aranha.
Homem-Aranha trouxe uma gama de vilões que eram pessoas geniais que se acidentavam e se tornavam bandidos! Dr. Octupus, Lagarto, Electro, Homem-Areia são todos vítimas. Até onde alguém era responsável pelo seus atos, tendo tido histórias que os moldaram em bandidos?
Aparentemente o próprio Parker teve que responder isso e o conselho de seu fictício tio entrou para a boca dos jovens como um mantra: ‘grandes poderes, grandes responsabilidades!’. Esse é o tipo de coisa que faz o sucesso dos super-heróis e não é ruim em si, mas olhando melhor, algo assustador começa a ficar implícito nas cenas.
Homem Aranha foi um fenômeno nos cinemas,
No filme em que combate o Duende Verde, o duende não tem relação alguma com tecnologia, mas é o símbolo do inimigo do Aranha. Um duende é um ser mitológico associado quase sempre ao mal, a mentira e ao engano. Duendes espíritos do mau, são como goblins, um ser mitológico cujo nome parece ter evoluído da palavra grega Kóbalos, que significa ‘enganador’. Ora, não existe tais seres, mas existem anjos caídos ou espíritos de demônios que são enganadores!
No filme, o Duende é um homem que usa uma armadura com aparência de duende. A tia do homem aranha é uma velhinha que está orando o Pai nosso, quando diz a frase ‘livra-nos do mal’ é como se Deus não ouvisse a oração dela. O duende destrói a parede e ataca a velhinha. Qual é o ensino? Orar é inútil e coisa de pessoas velhas, supersticiosas e ignorantes?
No terceiro filme, Parker é possuído por um alienígena simbionte que se apossa de seu corpo, produzindo o uniforme negro do Homem-Aranha, mas o deixa perverso e violento. Veja a semelhança com a possessão demoníaca!
Parker decide se livrar da criatura que domina sua vontade e vai até uma igreja onde descobre acidentalmente que o som dos sinos faz aquele ser se soltar de seu corpo. Logo abaixo dos sinos há um rapaz que é seu inimigo profissional no ramo da fotografia, ele perdeu o emprego por causa de Peter Parker e pelo incrível que pareça está orando ‘Senhor, atende meu pedido, quero destruir Peter Parker’. Por que alguém gostaria de mostrar a oração como o ódio? Por que aquele que ora será mostrado como vilão?
Na próxima cena o ‘simbionte’ se solta do Homem-Aranha e como que atendendo a oração do jovem revoltado, a criatura cai sobre ele, o possuindo dentro da igreja e o transformando no monstro Venon. Há um simbolismo inegável aqui! O Diabo possui as pessoas influenciando sua violência, então religiosos são pessoas intolerantes e odeiam as pessoas. Para esse simbolismo transmitido na mensagem do filme, o que chamamos de Deus é o verdadeiro inimigo que cai e possuí esta pessoa. Essa é a premissa básica dos seguidores do Satanismo onde Deus é o mal e Satã é nosso libertador. Não admira que a maior calúnia com a qual os novos ateus defendam sua tese é que religião e igreja são geradores de intolerância e violência! Nossos filhos estão sendo educados para odiar a religião.
No universo de personagens Marvel temos outros super-heróis que lutam pelo bem, com intrigantes origens justificadas no Satanismo. Basta uma rápida pesquisa nas sinopses dos filmes e no perfil dos personagens em algum site como wikipedia ou sites de quadrinhos e descobrimos coisas interessantes.
Motoqueiro Fantasma que foi ao cinema vivido por Nicolas Cage é um motoqueiro que vende a alma para o Diabo e depois, a serviço dele combate alguns demônios que se rebelaram contra o próprio Diabo. Seu poder vem de quem? De Satanás.
A mesma ideia de mal combatendo o mal está em Blade que no cinema foi interpretado por Wesley Snipes e fez grande sucesso. Blade é um meio homem, meio vampiro que se dedica a perseguir estes seres ditos como imortais. Vampiros tem
igualmente todas as características dos demônios e endemoniados, mas em Blade não há religião, o vampirismo é a evolução.
Demolidor, estrelado por Ben Afek é um herói humano e cego com super-audição que se veste de vermelho usando uma máscara com pequenos chifres. Seu nome em inglês é Deredevil, que significa ‘demônio ousado’. Sua profissão quando sem máscara é como Matt Murdock um acusador, ou seja, um promotor ou advogado. Seu nome completo é Matthew Michael Murdock (Michael sig. ‘quem é como Deus’). Ele é retratado como extremamente católico.
O Homem-Aranha faz sempre o sinal do ‘chifrudo’ com os dedos para acionar suas teias, mas curiosamente este também é o sinal mágico que um herói do bem chamado Dr. Estranho faz para poder acionar seus encantamentos mágicos. Dr. Estranho criado por Lee e Dicto, os mesmos criadores do Aranha é a história de um médico que se torna o maior mago de todo universo Marvel. Ele invoca espíritos e luta com demônios, bruxos e espíritos dos mais diversos. Seus poderes foram adquiridos de seu treinamento com místicos do Tibet. Seus poderes são telepatia, mesmerismo, ilusão, mágica, incluindo magia negra.
Magia negra? Mas ele é um herói? Sem problemas, aqui os demônios são os heróis. Sua aparência é curiosamente parecida com seu autor Stan Lee, magro, auto, alguns cabelos grisalhos e bigode. Sua roupa está coberta de símbolos ocultistas.
Em 55minutos de seu documentário, Stan menciona que os universitários tem o surfista prateado como um dos mais populares e que o interpretam como um tipo de personagem da cultura judaico-cristã. Veja a descrição que um blog sobre quadrinhos faz sobre este personagem:

Imagens religiosas sempre foram uma parte importante da história simbólica do Surfista Prateado. Quando o Surfista se rebelou contra Galactus, e atacou seu mestre, Galactus respondeu levantando a enorme mão diante dele e lançou feixes de luz, e bolas de fogo titânicas, sendo mostrado vindo de fora do painel, acima do Surfista, vindo de seus dedos. Mais tarde, quando Galactus lança Surfista de sua presença, ele o faz por explodi-lo com feixes de luz,e sua figura, sinistra e sombra, fica no fundo. Fogo vindo dos céus, a mão de Deus, raios, são todas as formas de imagens religiosas. A outra história, apresentando a origem do Surfista, o humanóide alienígena Norrin Radd, renasce dentro da mão de Galactus como o Surfista Prateado, ajoelhando-se e orando. Na aparição do Surfista Prateado, no filme de 2007, Fantastic Four: Rise of the Silver Surfer, o surfista move o seu corpo em uma posição muito semelhante a Cristo pendente da cruz, antes de sacrificar sua vida para salvar o planeta de Galactus, apenas para levantar do túmulo no último momento do filme. Até mesmo a grande lenda dos quadrinhos Stan Lee descreveu o Surfista como uma figura de Cristo.[4]

Fica claro que Surfista Prateado é uma paródia de anjos, pois ele mesmo se identifica como Arauto de Galactus, um ser primordial com poderes de um deus e que vaga pelo universo devorando mundos. Quando este ser maligno devora mundos, sua comparação com Deus reduz o Criador a um tirano cruel que traz o juízo final aos mundos destruindo impiedosamente milhares de inocentes só para seu apetite egoísta. Galactus é o retrato blasfemo do Deus de Abraão.
Para encontrar esses mundos Galactus tem seus Arautos, seres com poderes semelhantes aos dos anjos, mas o surfista prateado é um deles que se rebela e decide ajudar os fracos humanos a evitarem de que a Terra chegue ao seu fim. Isso lamentavelmente é Satanismo disfarçado! Satanismo é uma espécie de adoração a Satanás, atribuindo a Deus a personalidade do Diabo e ao Diabo a missão de Jesus de libertar e salvar a humanidade.

Participar da cultura pop do universo Márvel e participar de Cristo é possível ao mesmo tempo? Consciente que este é um universo de trevas, ocultismo, satanismo e origens malignas posso ler ou assistir isso e ainda ter comunhão com Deus?

e se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade.” 1 João 1:6



[1] https://www.youtube.com/watch?v=Wn_InevgIB0
[2] https://www.youtube.com/watch?v=Wn_InevgIB0
[3] http://clarimdiario1.blogspot.com.br/2013/07/origens-de-super-herois-e-seus.html
[4] http://clarimdiario1.blogspot.com.br/2013/07/origens-de-super-herois-e-seus.html

Um comentário:

TEOMANIA Santos disse...

Que trabalho maravilhoso. Pena que o mundo se entregue à esses desvios do caminho. Queria que todos tivessem a visão espiritual, mas parece improvável. A porta do céu deve ser estreita mesmo.
Belo blog. Belíssimo trabalho.
Graça e paz.